domingo, 5 de fevereiro de 2012

Leia  a crônica a seguir   
CULTURA

   Ele disse: “O teu sorriso é como o primeiro suave susto de Julieta quando, das sombras perfumadas do jardim sob a janela insone, Romeu deu voz ao sublime Bardo e a própria noite aguçou seus ouvidos.”
   E ela disse: “Corta essa”.
   E ele disse: “A tua modéstia é como o rubor que assoma à face de rústicas campônias acossadas num quadro de Bruegel, pai, enaltecendo seu rubicundo encanto e derrotando o próprio simular de recato que a natureza, ao deflagrá- lo, quis.”
   E ela disse: “Cumé que é?”
   E ele: “Eu te amo como jamais um homem amou, como o Amor mesmo, em seu autoamor, jamais se considerou capaz de amar.”
   E ela: “To sabendo...”
   “Tu és a chuva e eu sou a terra; tu és ar e eu sou o fogo;  tu és estrume, eu sou raiz.”
   “Pô!”
  “Desculpe. Esquece este último símile. Minha amada, minha vida. A inspiração é tanta que transborda e me foge, eu estou bêbado de paixão, o estilo tropeça no meio-fio, as frases caem do bolso...”
   “Sei...”
   “Os teus olhos são dois poços de águas claras onde brinca a luz da manhã, minha amada. A tua fronte é como o muro de alabastro do templo de Zamaz – AL- Kaad, onde os sábios iam roçar o nariz e pensar na Eternidade. A tua boca é uma tâmara partida... Não, a tua boca é como um... um... Pera só um pouquinho...”
      “Tô só te cuidando.”
   “A tua boca, a tua boca, a tua boca... ( Uma imagem, meu Deus!)”
   “Que qui tem a minha boca?”
   “A tua boca, a tua boca... Bom, vamos pular a boca. O teu pescoço é como o pescoço de Greta Garbo na famosa cena da nuca em Madame Walewska, com Charles Boyer, dirigido por Clarence Brown, iluminado por...”
   “Escuta aqui...”
  “Eu tremo ! Eu desfaleço ! Ela quer que eu a escute ! Como se todo o meu ser não fosse uma membrana que espera a sua voz para reverberar de amor, como se o céu não fosse a campana e o Sol o badalo desta sinfonia especial  : uma palavra dela...”
   “Tá ficando tarde.”
   “Sim, envelhecemos. O Tempo, soturno cocheiro deste carro fúnebre que é a Vida. Como disse Eliot, alias, Yeats – ou foi Lampedusa? - , o Tempo, esse surdo – mudo que nos leva ás costas...”
“Vamos logo que hoje eu não posso ficar toda a noite.”
   ( ...)
   “Já sei!”
  “O quê ? Volta aqui, pô...”
  “Como um punhado de amoras na neve das estepes. A tua boca é como um punhado de amoras na neve das estepes!” ( Veríssimo, Luiz Fernando. Cultura. In: As mentiras que os homens contam. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000. P. 149 – 151).

Após a leitura do texto, responda as questões dissertativas (não se esqueçam que as respostas precisam ser contextualizadas para ter sentido completo).

1)   Qual é a situação da vida cotidiana retratada pela crônica de Veríssimo?

2)   A crônica é escrita em terceira pessoa e a voz do narrador surge em momentos pontuais

a)   Em sua opinião, por que a voz do narrador “desaparece” em determinado momento?

b)  Se não há descrição a respeito das personagens, os que as caracteriza?

c)    Com base em sua resposta anterior, trace um breve perfil de cada personagem.

3)   A crônica indica que há um descompasso entre as personagens. Qual é a razão para que isso ocorra?

4)   Releia o trecho a seguir.
Escuta aqui...
Eu tremo ! Eu desfaleço ! Ela quer que eu a escute ! ( ... )

Explique por que as respostas da personagem masculina aos comentários da personagem feminina produzem um efeito de humor.

5)   Leia o trecho a seguir.
Tu és a chuva e eu sou a terra; tu és ar e eu sou o fogo, tu és estrume, eu sou raiz.

a)   Que tipo de relação existe entre os pares de elementos citados pela personagem e qual era  a sua intenção ao equipará los a si e á personagem feminina ?

b)  Como a personagem masculina justifica a imagem infeliz do ultimo par de elementos?

c)    Localize e registre em seu caderno outro trecho da crônica em que a personagem masculina utiliza o mesmo recurso de linguagem presente nesse fragmento ( um elemento representado por outro em função da semelhança de determinadas características ).

6)   ”Tô só te cuidando.” Qual é o sentido dessa fala no contexto da crônica?

7)    Releia o trecho a seguir.
E ele disse: ´´ A tua modéstia é como o rubor que assoma á face de rústicas campônias acossadas num quadro de Bruegel, pai, enaltecendo seu rubicundo encanto e derrotando o próprio simular de recato que a natureza, ao deflagrá lo, quis.´´
E ela disse : ´´Cumé que é ?´´

a)   Reescreva essa fala de forma a torná la mais próxima da variedade lingüística utilizada pela personagem feminina, preservando a intenção comunicativa.

b)  Agora faça o inverso: crie uma nova formulação da fala da personagem feminina de maneira a aproximá la da variedade linguística da personagem masculina.

8)   O que o desfecho revela a respeito da personagem masculina?

9)    Agora leia um trecho de conferência proferida pelo filólogo Evanildo Bechara
(...) Como, de manhã, a pessoa abre o seu guarda roupa para escolher a roupa adequada aos momentos sociais que ela vai enfrentar durante o dia, assim também, deve existir, na educação lingüística, um guarda roupa linguístico, em que o aluno saiba escolher as modalidades adequadas a falar com gíria, a falar popularmente, a saber entender um colega que veio do Norte ou que veio do Sul, com os seus falares locais, e que saiba também, nos momentos solenes, usar essa língua exemplar( ... ). (Bechara, Evanildo. Conferencia a Academia Brasileira de Letras em 4 de set de 2000. Disponivel  em: < HTTP : //WWW. Novomilenio inf.br /idioma/20000704 htm >. Acesso em: 23 de janeiro de 2009.)

Explique de que maneira a crônica de Veríssimo ilustra a opinião do professor Bechara a respeito do que o aluno de língua portuguesa precisa aprender na escola.

NOTA: Dado que nenhuma variedade linguística é superior a outra, o falante competente é aquele que consegue ser um poliglota em sua própria língua, ou seja, que conhece muitas variedades lingüísticas – inclusive as variedades urbanas de prestigio – e é capaz de escolher a mais adequada a cada contexto ou situação de uso.                          

         











        

    

 






        
    

             
    

                    
 

3 comentários:

Joao Pedro disse...

Começarei a fazer as atividades a partir de amanhã ( 06 ) , dia 9 jáa estarão prontas , muito maneiro essas atividades , estilo de interpretação de textos ... até mais .

João Pedro - 1º A Saltos Ornamentais

joana disse...

e as respostas ?? preciso muito delas

rosimeire disse...

Um muito interessante para explicar para os meus alunos vc tem o gabaritos