domingo, 11 de abril de 2010

REVISITANDO AS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DOS 3ºs ANOS 2010...DOS DIAS 06/04e o8/04

Nas aulas dessa semana que findou, fechamos, não só a discussão acerca do poder da palavra da Bíblia, mas também o conto de Drummond, “Nossa amiga” (deu-nos oportunidade para rirmos dos artifícios que nossos pais usam para que sejamos obedientes e “santos” e ainda sobre uma das capacidades discursivas mais exploradas em um texto: a intertextualidade referencial/alusão, aspecto presente no ultimo parágrafo do conto, no fragmento “Assim pudesse a mãe antiga tornar invisível seu filho, ante os soldados de Herodes.”).


QUEM É CARLOS DRUMMMOND DE ANDRADE




O conto “Nossa amiga” faz parte no livro “Contos de aprendiz “ que “foi publicado em 1951. Foi a estreia de Carlos Drummond de Andrade como contista. Nessa época, já havia publicado seus livros mais importantes - Alguma Poesia e Sentimento do Mundo - que o consagraram como um dos maiores poetas brasileiros.


A obra reúne 15 contos da maior ternura, incluindo aquele que é um exemplo do limite do real com o fantástico: "Flor, telefone, moça". Drummond conta as histórias que acontecem ou podem acontecer, na medida em que o acaso ou outro poder as torna possíveis, com o auxílio da imaginação alerta. Drummond gosta de relatar aquilo que parece o mínimo porém está cheio de significado na memória de cada um, como a surpresa e a decepção do primeiro sorvete, ou uma briga de irmãos que transforma a penitência infantil em pecado. Ou senão, a simples troca de palavras entre um homem e uma mulher, no coletivo, em que o olhar perturbado entra com sua carga de sensualidade. E ainda o devaneio da moça que prepara as figuras do presépio, na véspera de Natal, com o pensamento não no que fazia, mas no namorado. Drummond escreve uma prosa limpa, evidentemente com prazer - o prazer de contar sem intenção de brilhar.

O livro remexe em lembranças da infância do poeta, passando muitas vezes a falsa impressão de um livro de memórias. As histórias reunidas em Contos de aprendiz exercem uma relação franca como mundo, mexendo com os encantos da memória para desencantá-los e permitir que eles se mostrem como o que de fato são: mitos.”


Tarefas:


1. Criação do perfil de Carlos Drumonnd de Andrade e revisão no de Oswald de Andrade (ênfase no estilo dos dois escritores brasileiros) para quinta-feira, dia 15/04/2010.







 2. Estudo das págs. ... do livro didático por hora explorado para aula de terça-feira, dia 13/04/2010..


3. Atenção: viaje pela Net e busque Oswald de Andrade e Carlos Drummond de Andrade como fiz.


4. Dia 20/04/2010, evento avaliativo-diagnóstico – 30 questões – valor 3,o – 0,1 cada resposta correta.

5. Fecharam-se os dias das apresentações dos trabalhos em grupo: próximas duas quintas-feiras, nas primeiras aulas, dois grupos por semana.

POEMAS DE DRUMMOND











(TRECHO DO DOCUMENTÁRIO "O POETA DE SETE FACES" QUE DEVER SER ASSISTIDO E SABOREADO).





PESSOAL COMO EDUARDO DO 3º ANO "B" FEZ COMENTÁRIOS SOBRE O POEMA DO HETERÔNIMO DE FERNANDO PESSOA QUE DIZ SOBRE COMO É RIDÍCULO ESCREVER CARTAS, ACREDITO QUE SERIA ÓTIMO CONHECER , NÃO SÓ ESSE POEMA, MAS TAMBÉM UM OUTRO.

POEMA EM LINHA RETA. VALE CONFERIR ESTÁ EM "COMENTÁRIOS"


32 comentários:

Johnathan disse...

Nas aulas dessa semana finalizamos o poder da palavra na bíblia, fizemos uma breve discussão a respeito de verbos e observamos em “Uma tradição sagrada” que a convivência cristã é normatizada por leis estabelecidas no Antigo Testamento, encontrado em Êxodo, os dez mandamentos.Em seguida, iniciamos a discussão sobre “Um pouco de história das leis e algumas definições”, onde vimos alguns conjuntos de leis, dentre eles o Código de Hamurabi, o famoso “olho por olho, dente por dente”, o Código Gregoriano, o Teodosiano, o Civil, o Penal, o Processual, o Tributário e vários outros.E constatamos que na história, as leis foram estabelecidas para regularizar a convivência das pessoas de maneira harmoniosa, justa e saudável.
Na aula seguinte, trabalhamos o conto “Nossa amiga”, de Drummond e finalizamos o assunto realizando algumas atividades da revista referente ao texto.Iniciamos “Reinventando a linguagem literária”, e observamos que na literatura moderna, o inusitado é algo bem característico, como por exemplo Drummond que aproximou o leitor do narrador utilizando-se de uma linguagem mais coloquial, quebrando as regras da gramática tornando o texto mais fácil, para que ocorra uma maior compreensão aproximando-se do dia-a-dia.Além disso, foram feitas mais algumas obervações a respeito da literatura moderna, percebemos que o Brasil recebe influência dos “-ismos” europeus:Futurismo, Surrealismo, Expressionismo, Dadaísmo e Cubismo.E que essas vanguardas “floreceram” principalmente na França.

Johnathan T 3°EMB

Carolina Gisolfi disse...

Nas aulas do dia 6 revimos um pouco de gramática normativa, fizemos a leitura de "Uma tradição sagrada", tópico do famoso "livrão".
Ri bastante com as alusões do texto "nossa amiga" de Drummond, que os pais faziam para que nos mantivessem na ordem sempre, que não deixa de ser uma pré convivência com as regras da sociedade, o indivíduo bota medo no cabra pra que ele não faça nada de errado.
Nesse texto, ainda, há uma intertextualidade “Assim pudesse a mãe antiga tornar invisível seu filho, ante os soldados de Herodes.".
Sabemos também, que não há texto que não tenha intertextualidade, todos textos, todos discursos, provém de outros pré existentes, assim como este próprio agora!
Há também intertextualidade temáticas, alusivas e estruturais, a estrutural dar-se-a a partir da estrutura de um carta por exemplo, ao fazer um carta, você já tem um estrutura em mente de como escreve-la. A alusiva, o nome já diz, faz a alusão à alguma coisa. E a temática é sobre algum tema, por exemplo, pega-se um texto, logo depois uma música, logo depois uma reportagem, e se faz algo em cima deles, seria uma intertextualidade sobre um determinado tema.

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

PESSOAL, O QUE ACHARAM DOS VÍDEOS DE OSWALD DE ANDRADE E DRUMMOND????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

PARABÉNS A TOCHIO E CAROLINA PELOS COMENTÁRIOS. VOLTEM E COMENTEM ACERCA OD VÍDEOS.

Eduardo Henrique disse...

Olá professora!
Na aula do dia 06/04 trabalhamos o livro didático na pagina 796 onde abordamos o tema "Uma tradição sagrada”, aonde vimos que as leis foram estabelecidas apenas para citar o antigo testamento, em que são apresentadas normas a serem cumpridas pelos homens. Vimos que a convivência cristã é normatizada por leis estabelecidas no antigo testamento, com êxodo nos 10 mandamentos.
Tambem vimos um pouco da história das leis e algumas definiçoes (pagina 799 do livro didático). O código de Hamurabi é um dos mais antigos conjuntos de leis já encontrados, e um dos exemplos mais bem preservados deste tipo de documento da antiga Mesopotâmia. Segundo os cálculos, estima-se que tenha sido elaborado por Hamurabi por volta de 1700 a.C.. Ele anotou o cógigo em uma pedra.
Vimos também o texto "uma lei para elaborar lei", em que no dia 26 de fevereiro de 1998 o presidente da república sancionou uma lei que dispõe entre outras coisas, sobre a elaboração e redação do texto legal. Isto diz que lei é lei e tem que ser cumprida.
A lei maior é a constituição federal, e as leis são feitas para que tenhamos uma relação harmoniosa e justa. As leis são feitas pelo poder legislativo.
Atualmente no dia a dia as leis são ignoradas e burladas por malfeitores prejudicando muitos cidadãos de bem. Até mesmo autoridades como: policiais, políticos, entre outros, estão ignorando as leis por causa da ganância.
No dia 08/04 terminamos a leitura do conto de Drummond “Nossa amiga” e fizemos os exercícios relacionados ao conto da pagina 9 da revista.
Também vimos que a característica da literatura é surpreender, trazer o inusitado, causar estranhamento. Já na literatura moderna a uma exigência na característica, o estilo tem que ser buscado com intensidade, por isso se observa muito a quebra das regras da gramática, tendo assim uma forma mais coloquial no texto.
A literatura moderna brasileira recebe muita influencia dos “ismos” europeus (futurismo, surrealismo, expressionismo, dadaísmo, cubismo, etc.)

Eduardo Henrique – 3°EMB

Eduardo Henrique disse...

Então, eu gostei muito dos vídeos de Carlos Drummond de Andrade. Para falar a verdade, algumas palavras de seus poemas eu fico sem entender porem pelo que entendi gostei muito dos poemas “Amor e seu tempo” e “E agora José”.E como gosto muito de musica achei muito boa musica de Samuel Rosa.
Um poema que gosto muito é este:

"Todas as Cartas de Amor são Ridículas"

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)
Carlos Drummond de Andrade

Ele é um grande poeta.


Eduardo Henrique – 3°EMB

jessica costa miguel disse...

Nesta semana fizemos o estudo por meio do livro didático págs 796 e 796, falando sobre as leis e junto estudamos um pouco mais sobre a gramática que conforme a leitura foi aparecendo, e também fizemos a correção da tarefa dada no caderno do aluno do 2ºano, volume 4 do ano de 2009.

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

Eduardo, o poema que afirma que as cartas de amor são ridículas é do grande poeta português Fernado Pessoa, ou melhor, do heterônimo de Pessoa, Álvaro de Campos

Heterônimo:

Fernando Pessoa assinou sua obra com vários nomes. Não se trata porém de simples uso de pseudônimo, processo antigo usado para cobrir ou não o anonimato. Os nomes ou máscaras ou heterônimos com que Fernando Pessoa assina sua obra constitui em, cada um deles, uma atitude-experiência assumida pelo próprio Pessoa, como se fossem diversos poetas, todos eles com seu estilo próprio, com sua visão de mundo particular. Assim, nesse desdobramento de si mesmo, Pessoa cria heterônimos:

Alberto Caeiro, o camponês sábio

Ricardo Reis, o neoclássico, racionalista e semipagão

Álvaro de Campos, o futurista, neurótico e angustiado

e muitos outros, como Bernardo Soares, Alexandre Search, Antônio Mora, G. Pacheco, Vicente Guedes, e até o Chevalier de Pas, de quem o menino Fernando Pessoa recebia cartas, que ele mesmo escrevia, aos seis anos de idade.

Além de todos esses heterônimos, Pessoa também assinava alguns textos com seu próprio nome, ortônimo, que passaremos as chamar de Fernando Pessoa ele mesmo

Fernando Pessoa “ele mesmo” (ortônimo)

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

[...] Sua poesia é marcada pelo ceticismo, pela sensação do tédio, pela idéia de que o poeta é um desajustado, marcado para a solidão e o desamparo. Pessoa ele-mesmo apresenta duas tendências: de um lado, adere às correntes modernistas embora conservando certos traços simbolistas e impressionistas; de outro, cultiva um lirismo nacional, de sentido lusitano e voltado para o misticismo. À segunda tendência pertence o livro Mensagem, “poema épico que representa as navegações e descobertas dos portugueses como provenientes da guerra entre os velhos e os novos deuses”.

Alberto Caeiro


ATÉ

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

[...]Fernando Pessoa ele mesmo criou uma biografia para cada um dos seus heterônimos e, segundo nos informa, “Alberto Caeiro nasceu em 1889 e morreu em 1915; nasceu em Lisboa, mas viveu quase toda a sua vida no campo. Não teve profissão nem educação quase alguma. De estatura média, e, embora realmente frágil (morreu tuberculoso), não parecia tão frágil como era. Morreram-lhe cedo o pai e a mãe e deixou-se ficar em casa, vivendo de uns pequenos rendimentos. Vivia com uma tia velha, tia-avó”.

Considerado o mestre dos demais heterônimos e do próprio ortônimo, Caeiro possui a tranqüilidade e a sabedoria que os outros invejam. Para ele, o importante é ver e ouvir”. A sensação é tudo (...) e o pensamento é uma doença”. É o mais objetivo dos heterônimos; é o poeta da Natureza, opondo-se radicalmente ao intelectualismo, à abstração, à especulação metafísica e ao misticismo. Sua linguagem é simples, direta, redundante, apresentando a naturalidade do discurso oral.

Ricardo Reis

Informa-nos Fernando Pessoa que Ricardo Reis “nasceu em 1887 (não me lembro do dia e mês, mas tenho-os algures), no Porto, é médico e está presentemente no Brasil. É de um vago moreno mate. Educado num colégio de jesuítas, vive no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico. É um latinista por educação alheia, e um semi-helenista por educação própria”.

É o heterônimo que representa o lado clássico (ou neoclássico), humanista, racionalista e pagão de Pessoa. Autor de odes, parece-se com alguns poetas do Arcadismo. Sua linguagem é contida, disciplinada (oposta à prolixidade de Caeiro e às experiências modernistas de Campos). Seus versos são puros e revelam grande preocupação formal.

O tema preferido de Reis é o carpe-diem (aproveite o dia). Apóia-se na mitologia greco-romana e povoa sua poesia de ninfas, musas e deuses. Lídia é sua musa e interlocutora de seus versos. Filosoficamente, revela influência de estoicismo e epicurismo.

Álvaro de Campos

Diz Pessoa acercas deste heterônimo: “Álvaro de Campos nasceu em Tavira, no dia 15 de outubro de 1890 (à 1h30min da tarde, diz-me o Ferreira Gomes; e é verdade, pois, feito o horóscopo para essa hora, está certo). É engenheiro naval (por Glasgow), mas agora está aqui em Lisboa em inatividade. É alto (1,75m de altura, mais 2cm do que eu), magro e pouco tendente a curvar-se. Teve uma educação vulgar de liceu; depois foi mandado para a Escócia estudar engenharia, primeiro mecânica e depois naval. Numas férias, fez a viagem ao Oriente de onde resultou Opiário. Ensinou-lhe latim um tio beirão que era padre”.

Álvaro de Campos caracteriza-se por uma vontade de conquista, por um amor à civilização e ao progresso (e ao mesmo tempo consciência desse mundo) e por uma linguagem de tom irreverente. Revela influência de Cesário Verde, do poeta norte-americano Walt Whitman e do Futurismo. Campos observa criticamente o mundo e a si próprio, angustiando-se diante do tempo que avança sem parar e do absurdo da vida. É o heterônimo mais indisciplinado, arrebatado pelos sentidos e pela imaginação. Seus versos são freqüentemente assimétricos, com muitos caracteres tipográficos e pontuação caótica.


Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, em 1888. Aos cinco anos foi para a África do Sul, onde cursou o primário e o secundário. Em 1905 regressa a Portugal e ingressa na Faculdade de Letras de Lisboa. Não chega a concluir o curso e começa a trabalhar como correspondente comercial em línguas estrangeiras. Em 1912, colabora na revista A Águia e em 1915 torna-se um dos líderes de Orpheu. Mais tarde, escreve para outras revistas que também ajudavam a difundir as correntes de vanguarda, como a Athena e a Presença. Corroído por uma cirrose hepática, morre a 30 de novembro de 1935.


EDUARDO, CASO TENHA DÚVIDA, ESTOU POR AQUI. ABUSE.

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

Eduardo, mais um poema desse heterônimo que vale a pena conhecer

Poema em linha reta

Fernando Pessoa
(Álvaro de Campos)

[538]

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.


E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.


Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,


Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?


Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

Gabriel Carvalho disse...

Bom essa semana, fizemos a correção ta tarefa do caderninho volume 4° do 2° ano,estudamos a pagina 796 com os 10 textamentos e foi daí qe surgiram as leis de antigamente.

Ariane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ariane disse...

Nas aulas do dia 6 terminamos a palavra do poder, com " Uma tradição Sagrada"
um texto biblico que expõe regras feitas e cumpridas ao redor da Fé. Após isso vimos a origem das leis, que dentre elas o codico de Hamurabi" olho por olho, dente por dente" e varios outros tipos de códicos, que visava uma boa convivência entre os seres humanos, que ao mesmo tempo seria hamoniosa e ao mesmo tempo rigida e justa.
Já nas aulas do dia 8 trabalhamos com o texto de Carlos Drummond de Andrade " Nossa Amiga" no qual trabalhou com muito humor, que atrai e prende o leitor. Trabalhamos também com alusões, como a Herodes.
Gostei muito dos videos, mas não consegui ver todos, porem houve também algumas palavras que não consegui compreender, mas já as procurei e tirei minhas duvidas.

Beijos professora
Ariane C Gregório 3EMC

Paulo Victor disse...

REFERENTE AS AULAS DA SEMANA QUE PASSOU E CONTEÚDOS ADICIONAIS:
FIZEMOS UMA CURTA DISCUSSÃO A RESPEITO DOS ''DEZ MANDAMENTOS''
QUE É UMA TRADIÇÃO SEGUNDO OS COSTUMES E CRENÇAS CRISTÃS, PARA NORMATIZAR A CONVIVÊNCIA DOS ENTRE AS PESSOAS, PODEMOS OBSERVAR QUE A MAIORIA DOS REGISTROS JURÍDICOS LEGAIS (AS LEIS) SÃO BASEADAS NOS CONCEITOS DESSA ''SAGRADA LEI''.
REVIMOS A INDUÇÃO DO CÓDIGO DE HAMURABI ONDE BASICAMENTE ERA ''OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE'', ONDE TUDO QUE FAZIAM DE MAL, RECEBIAM O MESMO EM TROCA.
REFLETIMOS MAIS UM POUCO SOBRE O TEXTO DE DRUMMOND, ''NOSSA AMIGA'',
E FIZEMOS ALGUMAS ATIVIDADES REFERENTES AO ELE(O TEXTO).
COMPLEMETANDO ESSAS AULAS, FORAM ACRESCENTADAS ALGUMAS OBSERVAÇÕES OAS CHAMADOS ''ISMOS EUROPEUS'' :
- FUTUIRISMO;
- SURREALISMO;
- EXPRESSIONISMO;
- DADAÍSMO;
- CUBISMO.
DESCREVENDO QUE DESCENDEM DA POPULARMENTE ARTÍSTICA, FRANÇA.
E EM RELAÇÃO AOS VÍDEOS, TODOS SÃO BEM INTERESSANTES...MAS OS QUE ME CHAMARAM ATENÇÃO FORAM OS DE DRUMMOND, POIS SEU ESTILO E LINGUAGEM DIFERENCIADA, SEMPRE FARÃO A DIFERENÇA.

PAULO VICTOR 3º EM B

charlles disse...

Esta semana terminamos o estudo do texto “Uma tradição Sagrada”,depois vimos que as antigamente as leis eram usadas apenas para citar artigos dos Testamentos ,em que são apresentados as normas e também lemos os dez mandamentos .A professora explicou o que é pretérito perfeito ,pretérito imperfeito e pretérito mais do que perfeito,ficamos sabendo que nas leis predomina o futuro do presente ,conhecemos um pouco mais da história das leis e algumas definições como o 1°código de Hamurabi(que era olho por olho ,dente por dente),2° código do papiro,3°código Gregoriano,lemos os artigo 219,artigo 85 e o artigo 222 e também vimos que foi o José Sarnei que assinou a constituição Federal .Na Quita-Feira .Terminamos a leitura e o estudo do conto “Nossa Amiga”e respondemos as questões do caderno do aluno referente ao mesmo e também vimos reinventando a linguagem e respondemos algumas perguntas e o Carlos Drummond de Andrade usa uma linguagem muito coloquial para aproximar os textos de quem lê,aprendemos um pouco da literatura moderna brasileira que recebe influencia direta dos “-ismos” europeus como o Futurismos,Surrealismo entre outros.
Charlles Kaê de Paula 3°EMB

Marcelo Luis disse...

NAS AULAS DOS DIAS 06/04 E 08/04 DISCUTIMOS SOBRE OS DEZ MANDAMENTOS E UM BREVE DISCUSSÃO DE ONDE A HISTORIA DAS LEIS EM QUE A PRIMEIRA A SER CRIADA FOI O CODIGO DE HAMURABI "OLHO POR OLHO , DENTE POR DENTE " QUE É UMA LEI TAO ANTIGA , MAIS É USADA POR MUITAS PESSOAS ATE NOS DIAS DE HOJE E AO LONGO DA HISTORIA ESSES CODIGOS FORAM ESTABELECIDOS PARA NORMATIZAR A CONVIVENCIA HUMANA.
APRENDEMOS TAMBEM SOBRE OS PRETERITO PERFEITO ( PASSADO ) E O PRETERITO MAIS QUE PERFEITO ( PASSADO ANTES DE OUTRO PASSADO ), VERBOS DEFECTIVOS , NO CASO COLORIR , EXPLODIR QUE SAO VERBOS QUE NAO APRESENTAM TODAS AS FORMAS VERBAIS.
DISCUTIMOS TAMBEM SOBRE DRUMMOND QUE UTILIZAVA UMA FORMA MAIS COLOQUIAL PARA ATRAIR O LEITOR , OUTRO ASSUNTO TAMBEM ABORDADO FOI O "-ISMOS" EUROPEUS , CUBISMO , SURREALISMO , FUTURISMO , ETC ; QUE FORAM DE GRANDE INFLUENCIA PARA A LITERATURA BRASILEIRA

Marcelo Luis 3EMB

leonardo disse...

Nas aulas da semana, finalizamos "Uma Tradição Sagrada", que nos ensinou como a instituição de leis são tão primitivas quanto o Homem, propriamente dito. Destaque para os Dez Mandamentos, no qual baseiam-se todos os princípios da fé cristã. Após, iniciamos o estudo sobre "Um pouco de história das leis e algumas definições", no qual eu, particularmente fiquei encantado. Relembrei sobre o Código de Hamurábi e seu princípio de "Olho por olho, dente por dente", além de aprender mais sobre os Códigos que fizeram história na sociedade. E de como eles serviram de base para a criação dos Códigos utilizados atualmente, como o Código Penal, Civil, Processual, etc.
Ainda aprendemos como as leis são organizadas nos Códigos. "Artigos", "parágrafos"(incisos), "alíneas" e "itens" podem ter uma estrutura que confunda a cabeça de muitos, mas são fundamentais para a organização da legislação.
Na aula seguinte, com o uso do Caderno/Revista do Aluno, finalizamos a leitura do texto "Nossa Amiga", um texto engraçado e que, ao mesmo tempo, é a biografia de muitas (se não todas) as crianças. O modo inocente de se familiarizar com todos, a teimosia e até os artefatos que os pais utilizam para amedrontar os pequenos, mesmo que sejam os mais absurdos, são os mesmos. E ainda o texto, através da intertextualidade, nos leva a dois mil anos atrás, no genocídio promovido por Herodes.
Além disso tudo, tivemos uma revisão sobre verbos, incluindo tempos verbais e verbos defectivos.
Quanto aos vídeos, só posso dizer uma coisa: Drummond é incrível. "E agora José?" é um poema que, enquanto é lido, dá pra se sentir toda o sentimento (no meu caso, senti desespero e aflição implícita em alguns versos) que se pretende passar. quanto à música de Samuel Rosa, a letra é muito interessante.

Leonardo Henrique nº:19 3ºEMC

Rafael Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael Santos disse...

Estudamos na aula de terça dessa semana antigas leis, como o Codigo Gregoriano e o Codigo de Hamurabi, e alguns dos codigos Tributarios e Penal do Livro Didatico, e comentamos que para se tornar um advogado cdompetente, é preciso dominar todo uma linguagem tecnica juridica.
E na aula de Quinta-feira trabalhomos o caderno do aluno, terminando o trabalho acerca do conto "Nossa Amiga" onde respondemos depois algumas perguntas, que alguns alunos leram as respostas. E Depois concluimos a aula com u texto e uma analise feita pela professora onde concluimos Drummound aplica a seus escritos uma linguagem mais coloquial para melhor entendimento do leitor.

ruan disse...

Nesta semana que passou, vimos no livro didático os códigos Gregorianos e de Hamurabi, fizemos uma leitura rápida, vimos os dez mandamentos que foi escrito pelos apóstolos de Cristo. Demos ênfase nos códigos (simbologias)que são usadas na justiça para ser criada uma lei por exemplo,é necessário que o tal tenha conhecimento suficiente para que ele possa exercer essa função ,pois para introduzir os códigos não é fácil.
Logo em seguida terminamos a leitura e realizamos algumas atividades do caderno do aluno,mais precisamente ,o conto “Nossa amiga”,
Professora, estava viajando do blog da senhora e me deparei com um vídeo que me chamou muito a tenção,porém ,não o compreendi ele totalmente ,algumas freses não ficaram claras para mim,como dizia lá : -“amor é primo da morte”,gostaria que a senhora me ajudasse na compreensão do vídeo .

Marcos Ruan dos Santos Souza 3º EMB Amizade

Leticia disse...

Nesta semana, na terça feira,trabalhamos o tema "Uma tradição sagrada”,na pagina 796 do livro didático onde falamos dos mandamentos cristãos que se encontra no livro de êxodo no velho testamento. Daí partimos para as leis,comentando as leis que eram embasadas em costumes, ou seja costumeiras.
Na quinta feira terminamos a leitura do conto de Drummond “Nossa amiga” e realizamos algumas atividades do caderninho do aluno, relacionados com o texto.

Professora, sobre os vídeos, eu amei ver a entrevista de Drummond, pois é bom conhecer o autor de tantas obras maravilhosa,e o que me chamou atenção é ouvi-las na voz do próprio Drummond.
Eu fiquei muito curiosa com o poema “No meio do caminho”, pois não compreendi muito e queria uma análise de alguém que entendesse de literatura, então fui ate o livro didático de português de José De Nicola, volume três, e lá procurei algo que me esclarece-se sobre o sentido do poema. Então encontrei o comentário de Antonio Candido, que em seu livro “Vários Escritos” analisa o poema de Drummond:”...a sociedade oferece obstáculos que impedem a plenitude dos atos e dos sentimentos...
A leitura optativa a partir do terceiro verso(que se abre para os dois lados, sendo fim do segundo ou começo do quarto)confirma que o meio do caminho é bloqueado topograficamente pela pedra antes e depois, e que os obstáculos se encadeiam sem fim”.

Bom professora, em sala a senhora disse que se surgissem duvidas ou observações eram pra ser compartilhadas aqui, por tanto eu quero compartilhar com os colegas essa análise que me ajudou muito a entender melhor o poema. Para os interessados está na pagina 310.
Letícia Zanholo 3°EMB

Daphne Prado II disse...

Nas aulas dessa semana 06/04 a 08/04
Trabalhamos o livro de Didático e vimos "Uma tradição Sagrada" que são as leis para os fiéis encontrados nos dez mandamentos.
Vimos algumas leis do nosso Código Penal.
Na próxima aula, trabalhamos o caderno do aluno, lemos um texto de Drummond "Nossa Amiga" que foi muito divertido ler e relembrar argumentos que nossos pais usavam para nos por medo como "homem do saco". No texto vimos formas de Intertextualidades, vimos que todo discurso é intertextual. Vimos que são três tipos de Intertextualidade: temáticas, alusivas e estruturais.
Quanto aos vídeos, bom Drummond é maravilhoso, mesmo tendo dificuldades em algumas palavras ele consegue passar o sentimento em cada verso.
O poema “O Amor e seu Tempo” eu gostei muito.
Amor é privilégio de maduros
Estendidos na mais estreita cama,
Que se torna a mais larga e mais relvosa,
Roçando, em cada poro, o céu do corpo.
É isto, amor: o ganho não previsto,
O prêmio subterrâneo e coruscante,
Leitura de relâmpago cifrado,
Que, decifrado, nada mais existe
Valendo a pena e o preço do terrestre,
Salvo o minuto de ouro no relógio
Minúsculo, vibrando no crepúsculo.
Amor é o que se aprende no limite,
Depois de se arquivar toda a ciência
Herdada, ouvida. amor começa tarde.

Daphne G. Prado nº09 3ºem C

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

RECADOS PARA LETÍCIA, LEONARDO, MARCOS RUAN E DAFNE:

MARCOS, CONTE COMIGO. QUAL POEMA QUE IREMOS DISCUTIR???????? QUAIS TUAS DIFICULDADES??????

ENTENDER POEMA PODE SER POR DUAS VERTENTES: O QUE É QUE POEMA FALA COM VOCÊ E O QUE VOCÊ PODE FALAR DO POEMA. COMECE PELA PRIMEIRA OPÇÃO.


LETÍCIA, PARABÉNS PELA INICIATIVA. SE ASSIM FOSSE, ESTARÍAMOS NOSSO NÍVEL DE ENSINO E APRENDIZAGEM. O QUE POSSO APRENDER CONTIGO DEPOIS DESSE ESTUDO??????

DAFNE E LEONARDO, PARABÉNS PELOS COMENTÁRIOS E PELA SENSIBILIDADE EM RELAÇÃO AOS POEMAS DE DRUMMMOND

Daphne Prado II disse...

Professora estava lendo algumas obras de Drummond e essa chamou a minha atençao,como a " O Amor e o Tempo"

"As sem-razões do amor"

Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade


Daphne G. Prado nº09 3ºem C

Nathália M.Santos disse...

Nas aulas dessa semana terminamos os comentários sobre O poder da palavra, e demos ínicio na discussão sobre verbos, pretérito perfeito e imperfeito, mais que perfeito, conjuções, verbos inregular, regular, defectivo.Observamos que uma tradição sagrada de uma convivência cristã é nomatizada por leis estabelecidas no Antigo Testamento, como Êxodo, os 10 Mandamentos da Bíblia.
Em seguida falamos um pouco da história das leis e algumas definições e sobre o Código de Hamurabi que é um dos mais antigos conjuntos de leis já encontrados, e um dos exemplos mais bem preservados deste tipo de documento da antiga Mesopotâmia.Tivemos exemplos, como a famosa frase "Olho por olho, dente por dente",vimos que ao longo da história da humanidade, códigos foram estabelecidos para nomartizar a convivência entre os seres humanos de forma sáudavel, harmoniosa e justa, partindo do Código Hamurabi, até as leis pós modernas baseadas na gestão democratica.
E depois terminamos a leitura do conto de Drummond "Nossa Amiga", e discutimos sobre "reiventando a linguagem literária" que é característica da literatura surpreender, trazer o inusitado, causar estranhamento;Na literatura moderna, porém essa exigência é estilo a ser buscado com intensidade.
Nathália M. 3°E.M.B-Amizade.

rafa disse...

profº PIEDDADE...
Sou da 5º serie B mas não achei os comntarios da minha classe.
BEIJOS
RAFAELA RODRIGUES 5º SERIE B

luiza disse...

oi professora.... não consegui acessar aos videos, mas fiquei muito interessada no poema em que voce disse na sala do "amor e o tempo que resolvi procurá-lo... Ele é lindo...
Eu gostaria de pergunta uma coisa também, se voce pudesse me explicar depois, se este "texto" é um poema ou versos....

mundo profundo

Vemos o mundo de muitas formas
Você vê o mundo de muitas formas
de uma forma única, diferente do mundo.
Tentam entender porque seu mundo é assim,
mas você não consegue explicar
O mundo é seu!
O mundo não existe!
Você vive nele
Mas ningém vê o mundo que você vê
Poruqe esse mundo é seu sonho
Um sonho que você criou acordado
Você prefere ele, porque nele você é notado.
Nele você é você e não apenas você.
Não é o que os outros vêem
É o que eles nunca viram
Você vive num mundo que não existe
E se esqueceu de viver no mundo
em que todos vivem.

e aí prof??

Leticia disse...

Bom professora, através do estudo pude confirmar que a pedra mencionada por Drummond em seu poema, é uma metáfora para os problemas sociais, as barreiras sociais, que encontramos no “caminho”, que ao meu entender é o decorrer da vida.posso ousar a dizer que no trecho a seguir: ‘Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas”, que Carlos quis transmitir que nunca iria esquecer desses problemas sociais que em sua vida ele já acostumou a enxergar com suas retinas tão fadigadas de tanto contemplar diversas situações em sua vida.

Gostei muito desse poema, acredito ser uma crítica aos problemas sociais, em forma de metáforas, o que nos mostra um aspecto da literatura moderna,a questão de abordar temas urbanos , problemas sociais. Não podemos esquecer Drumonnd foi um grande representante da literatura moderna.

Letícia 3°EMB

Two Worlds disse...

Em sala de aula trabalhamos o conto “Nossa amiga”, de Carlos Drummond de Andrade,fizemos algumas atividades do “Caderno do Aluno- 2°EM (volume 4). Drummond é um poeta e contista do início do XX(que tem prenúncios na poesia romântica),que usa o inusitado para escrever e também ousa da linguagem coloquial para facilitar a compreensão do conto “Nossa amiga”.O conto tem narratividade (seqüência temporal de fatos). No conto a menina cria uma amizade com a dona da casa por viver indo em sua residência,isso explica o título “Nossa amiga”. Ele em suas obras resgata o soneto em pleno século XX.
A literatura moderna brasileira recebe a influência dos ismos europeus: Futurismo,surrealismo,expressionismo,dadaísmo,cubismo (Vanguardas Europeias).
Obs: Para mim esta sendo uma honra trabalhar com obras de Carlos Drummond de Andrade,porque ele é um dos melhores poetas do Brasil,não tem como não gostar de suas obras.

Raissa Gonçalves n° 27 3°EMB

Natalia C. disse...

Sem dúvida CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE FICA NO TOPO DA MINHA LISTA DE POETAS BRASILEIROS FAVORITOS!,Ele com toda certeza me compreende!E eu o adoro assim..."loucamente!"
Um dos meus poemas preferidos,até dramatizado por mim e por mais duas amigas no 1ºEM,é a FLOR E A NÁUSEA.Eu não sabia dessa musica do skank!embora eu nao goste desse tipo de música,o documentário vale a pena,pois fala desse maravilhoso poeta!;
Nessa ultimas aulas trabalhamos bastante todos os autores que eu particularmente me influencio muito.E tenho estado muito satisfeita.
Até por que, a poesia e o poeta tem esse poder de transmitir paz,ou deixar inqueito,o coração de quem lê.

PS: CARTAS DE AMOR NÃO SÃO RIDICULAS ;)

guilherme disse...

Os videos tratados pelo CARLOS DRUMMOND, são muito bons ,Ele tem o dom de compreender as pessoas.Por indicação da aluna Natalia C. Após ler o seu comentaria pode ler o livro FLOR E A NÁUSEA que é um ótimo poema poucos do que já li.
Em questão da musica do skank nunca tinha ouvido a musica gostei muito boa,e isso me fez fazer gostar mais dessa banda ,o documentário vale a pena,pois fala desse maravilhoso poeta!;
Nas aulas podemos trabalhar em questão dos 10 mandamentos da palavra da bíblia, e sobre esses assunto surgi os Códigos e Leis.


Guilherme Augusto Moreira Sbecker
3ºC

biah disse...

eu vi nos aspectos que as crianças se inspiram em grandes nomes da poesia como Jose Paulo Paes e Manuel Bandeira
e isso prof
beatriz 5b :D