quinta-feira, 11 de março de 2010

REVISITANDO AS AULAS SEMANAIS DO 3ºs ANOS "B" e "C" 2010 DOS DIAS 09/03 E 11/03

Esta semana, iniciamos A EXPOSIÇÃO ACERCA DA PALAVRA DO PODER (LEIS, CONTRATOS, ESTATUTOS ...) Definimos COMO SE DARA O ENCONTRO COM A PROPOSTA DA REVISTA DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO.

Fechamos uma profundidade SEMANA FAZENDO UMA RETROSPECTIVA RÁPIDA E SEM MUITADA LITERATURA BRASILEIRA DA HISTÓRIA - DE CAMINHA A MV BILL (ISSO AINDA VAI DAR MUITO PANO PRA MANGA).

AH! Leituras sugeridas BOM LEMBRAR:




O Cidadão de Papel, de Gilberto Dimeintein

e



Vidas Secas, de Graciliano Ramos






O MELHOR, no entanto, QUE OCORREU FORAM AS CRÔNICAS DAS APRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS ANOS 3 °. VARIEDADES DE IDEIAS, ESTILOS, PARÁFRASES, alusões ... O POVO ESTÁ FICANDO Afiado ... NA VERDADE, UNS JÁ SÃO VETERANOS NA ARTE DE ARRANCAR DAS PALAVRAS IDEIAS Literárias, COMO, SENHORITA CAPI QUE INAUGURA NOSSO QUADRO:

"PARA ENTRAR NO MUNDO DAS PALAVRAS CHAVE PRECISA TER. Trouxeste uma tua?"

 Plise

Estava eu sentada na Biblioteca Municipal sem centro da cidade, lendo bons livros, quando uma moça entrou com um vestido lindíssimo. A bibliotecária olhou para sua assistente e disse:
- Nossa! Que Plise!
Ouvir aquela palavra desconhecida, deixou-me um tanto curiosa. Fiquei me perguntando que raios seria Plise? Seria uma palavra com o mesmo sentido de clichê ou blasé? Ou seria uma ofensa do tipo:
- Que horrível Vestido Nossa! um elogio Quem sabe até?
-Nossa que vestido bonito!

Saí da biblioteca e continuei andando pelas ruas, eu particularmente tinha adorado aquela palavra. Plise! Tão francesa tão luxuosa! Decidi, então, EUA-la sem ao menos saber seu significado. Deveria ser algo Afinal Chique. Se era parecido com clichê ou blasé com certeza era um arraso! Acabei entrando em uma farmácia e uma senhora com uma blusa azul Marinho apanhou algumas aspirinas, sua blusa era maravilhosamente Linda, porém muito comum. Então eu disse a ela:
- Blusa Bela! É Plise né?!
Logo ela deixou como aspirinas no balcão e me respondeu:
-Você não mocinha tem educação? O gosto é meu, uso o que quiser!
Fiquei pensando se ela não gostou de ouvir a verdade. Era mesmo Plise O que eu poderia fazer?

Fui para o ponto de ônibus e todas julguei como pessoas com um dentro da tal Plise dele. A única coisa ruim é que me fizeram descer num ponto muito distante da minha casa, um garoto e me ameaçou dizendo-me jogar da janela se eu não saísse.

Então desci, andei durante horas, suada e cheirando mal cheguei a minha casa. Minha mãe perguntou o porquê Daquilo e eu disse:
- Ah mãe, foi culpa da Plise! Ela me olhou com uma cara de: - Que diabos é Plise, Natalia? Decidi, pois, dar um basta naquela confusão. Afinal, se eu dissesse aquela palavra na escola, todos me espancariam ou me matariam. Foi quando achei a danada Não tem dicionário e, simplesmente, fiquei indignada! Plise não se parecia com clichê nem blasé, f.Rances não era, não era ofensa nem elogio. Era apenas uma série de pregas feitas num tecido que não se desmancha.
-Aff! Todo aquele caos por causa de uma série de pregas?

Bem que desde o começo eu detestei aquela tal de Plise! Plise. O que era aquilo? Tão démodé! (NATALIA CAPI 3 º EMB "Amizade")

Pichorra

Dentre as palavras que procurei, pichorra me chamou a atenção. Despertou minha curiosidade, atiçou minha imaginação.


Pichorra é uma palavra daquelas que formam um ENORME ponto de interrogação na cabeça de muitas pessoas. Imaginem só: duas garotas aos tapas, na escola Porta da porta, por causa do namorado:

- Pichorra Sua nojenta, vaza daqui!
- Pichorra é você, vagabunda!

Ou então um aluno revoltado com uma super dificílima tarefa de Língua Portuguesa:


- Argh! Que pichorra de tarefa ...


E, em casos extremos, esse mesmo aluno, professora Despejando sua cólera na:


- Ah, não aguento mais! Dá vontade de mandar uma professora pra pichorra!


Mas, calma. Nem só de xingamentos e ofensas é feita uma pichorra. Talvez sirva como nome de pássaro: "Ah, como canta a pichorra", diria algum poeta. Ou também poderia significar algum instrumento Ferramenta, musical, nome de cidade ou até como o nome de alguma fruta exótica, daquelas que uma planta na gente "Colheita Feliz" ...


Enfim, depois de suposições Milhares de na minha cabeça sobre o significado dessa palavrinha, eis que pichorra é apenas o maior dos meus pontos fracos: a preguiça! (Leonardo Henrique 3 ° C)


O ocaso da perfídia


Muitas pessoas dizem que a Língua Portuguesa é uma língua extremamente rica, e eu sempre confirmei, ainda mas quando ouvia palavras estranhas, as quais o significado era totalmente inesperado e que não tinha nenhuma semelhança com a palavra. Como um dia que ouvi uma pessoa dizendo “Ah, nossa festa está mixada!”. Logo fiquei imaginando o que seria mixar? Algo envolvido com essas gírias tipo “dahora”? Mas quando descobri que mixar era anular, fiquei surpresa pelo significado e com raiva, pois já tinha me preparado para a festa !

Outra situação foi ao ouvir a palavra “perfídia”. Foi um espanto enorme; porém, logo, ela me abriu um leque de significados: poderia ser algo feito com perfeição, como um chefe falando para o empregado: “É isso aí! Está perfidio”? Ou também poderia ser o nome de uma flor, como orquídea, lírio, copo de leite? Essa palavra me deixava curiosa cada vez mais e sempre esquecia de procurar o significado dela no dicionário.

Minha esperança voltou quando uma amiga disse que tinha um “babado” pra me contar. Já fiquei animada para saber. “Amiga, sabe a Cris, namorada do Carlinhos? Ela fez uma perfídia com ele, foi ver o ocaso com o vizinho!”

Eu já estava contente que além de saber o tal “babado”, eu ia saber o significado de perfídia, a palavra da qual o significado estava me perseguindo, e ainda iria saber o que era um ocaso! Será que era causa de algo? Mas já parei de enrolar e perguntei: “Amiga, e o que é perfídia e ocaso? Ela logo me respondeu: “Amiga, perfídia é traição e ocaso é pôr-do-sol!”. “Nossa !!. Nada a ver o que eu estava pensando”.
Foi algo até que meio cômico! (Ariane Caroline Gregório- 3EMC)

Socapa


Estava bem eu não sei por que, ... Para falar a verdade sei sim, estava a procurar uma palavra no dicionário para realizar uma atividade proposta pela professora, quando de repente! Deparo-me com uma palavra um tanto inusitada, a palavra "socapa".


Tal palavra me deixou um tanto "encasquetado", doido para saber seu significado, mas resisti, e não li o que estava escrito não tão famoso "pai dos burros", expressão logicamente incorreta, assim como não poucos, mas muitas pessoas dizem que Deverià Ser conhecido como "pai dos espertos", pois somente os espertos procuram o.


Não me desviando do assunto, veio tantos significados a minha mente a cerca da Palavra socapa ". Poderia ser outro nome dado ao celular:" A sua socapa está tocando! ". Ou ainda um time de futebol:" O time do Socapa Futebol Clube segue firme na liderança com saudades Trinta pontos! "; ser assim E por que não o nome de nossa querida escola? Poderia:" EE Professora Socapa da Silva Ribeiro "; Ou até mesmo um super-herói:" Socapa não veste capa ".


Tantas coisas para escrever assim, mas vontade de saber seu significado subiu a minha cabeça, e fui logo saber e os direi assim: socapa é o nome dado a fantasia, Astúcia disfarce ou ... Ah! Que alívio! (Carlos Henrique Araújo de Oliveira - 3 º ano B)


Acobilhar
Sempre ouvi pessoas falarem:


-Na minha terra não se fala assim!


Quando mudamos de nosso estado para outro, deparamos com um modo diferente de usar as palavras e também o sotaque, foi o que aconteceu comigo quando eu fui viajar para o Ceará. É engraçado ouvir um sotaque tão diferente, e não é preciso ir muito longe para conhecer palavras estranhas.


Como lá é quente, eu sempre andava com uma garrafinha de água gelada. Decidi entrar em uma padaria para comprar um chup-chup:


-Moça tem chup-chup de morango?


Ela me olhou com uma cara de ponto de interrogação, e disse:


-O quê?! O que é chup-chup?


-Aquele Comprido sorvete.


-Ha! Você quer saber se tem din-din?


-É isso ai mesmo.


Por Dinheiro era um instante pensei que o din-din que ela se referia.


Saí da padaria com o tal do din-din na mão pensando: - O que tem din din-ver com uma chup-chup? Dinheiro Poderia ser, menos chup-chup. E por alguns instantes eu ri sozinha.


Caminhando de volta para casa, passei perto de um senhor e escutei ele dizer:


-Eu vou acobilhar ela sim! Pode falar hoje Mônica em casa para dormir.


Pensei: - Nossa acobilhar o que poderia significar? E o senhor falou com um tom de voz agressivo. Poderia ser talvez brigar ou matar? Nem sei.


Cheguei em casa até esqueci de perguntar a minha mãe e não procurei saber o significado.Estava no quarto quando escuto minha avó gritar:


Ei, menino! Vai buscar o avuantes na fazenda de seu avô?!


Não era Possível, só em um dia tanta palavra estranha. Meu primo pergunta:


-O que tu queres mesmo?


-Falei para você ir buscar como avuantes na fazenda de seu avô, porque eu quero acobilhar elas aqui em casa!


Pensei: - Meu Deus! Avó vai matar essa tal de avuante aqui em casa.Foi quando decidi perguntar:


-Avó afinal de contas, o que é acobilhar e essa tal de avuante?


Sim, menina! Acobilhar acolher é algo ou alguém, avuante é uma ave.


-Há que bom! Pensei que você ia matar essa avuante aqui em casa.


-Não.Mandei elas seu primo ir buscar, casa.tadinhas para ficar em acolher aqui nesse sol.

(3 ° C Emanuela)



Insípido

- Nanda, diz uma palavra que eu não saiba o significado e que seja estranha. Só diz sem dizer uma palavra o que é!
- Insípido. Só isso?
- Aham! Daqui a pouco eu pergunto o que é!
Agora o que será que é essa coisa? Poderia ser um bom adjetivo, tipo inspirado. Ou poderia ser uma resposta intuitos libidinosos um outro de alguém:
-Defenestras?
- Hum! Seu insípido!
Junto com um tapa na cara, lógico.
Apesar de que ainda não concordei com uma Defenestração "tal". Claro que nós seres humanos já partimos pra algo muito agressivo quando ouvimos uma palavra diferente. Hmm Bolinativo Pensamos em algo?
Mas bolinativo mais que isso: "Júbilo". A pessoa (que assim como eu) que lê apenas uma metade da descrição do dicionário e já pensa algo monstruoso "é o grande Júbilo (...)"....
Da torcida com uma vitória do tempo, companheiro! Demonstração de alegria.
Lá em Portugal, por exemplo, eles adoram um Cacetinho. Calma, meu amigo! Eles gostam apenas de um pãozinho.
A linguagem difere em gênero, número, grau e significado (masculino e feminino), Estado / Pais, "Tribos", profissões.
Mas insípido ... TPM? Metida?
Alguma doença:
Desculpe, minha senhora, uma sua filha não tem problema insípido ...
Um mecânico:
-Tira o insípido pra eu trocar o óleo!
Um jovem:
-Que ein insípidz você, mano!
Um metaleiro:
MS-DOS Vamos mostrar naquele Insípidos do Inferno?!
Um advogado:
- O Réu e insípido.
Mas voltando a curiosidade da palavra. Digitando novamente uma mensagem:
- Nanda, o que quer dizer esse treco?
- Sem gosto.
Pensei logo em um potz. (Carolina de Cássia 3 º CEM)


 
Escafandro

Precisava urgentemente de uma palavra. Meu Deus! Qual será a palavra da vez?
Um amigo muito próximo, disse-me:
- Escafandro Que tal?
- Escafandro? Existe isso? É de comer?
Com Milhares de interrogações na mente, respondeu-me:
- Ah ... Deve existir, já ouvi falar em algum lugar.
Assim como no conto, Marcelo, Marmelo e Martelo, de Ruth Rocha, onde Marcelo questiona o "por que" das palavras, ou Defenestração, de Luís Fernando Veríssimo. Comecei também um questionar sobre o significado dessa estranha palavra.
Talvez doença POSSA SER UMA ... "O senhor está com escafandrose múltipla dos Ossos". Nossa! Melhor pensar em algo menos perigoso.
Que tal, "Ah ... Esse dia foi tão escafandroso, MARAVILHO que". Mas também pode ser, "Seu Escafandro Porque! Fez isso comigo?"
Melhor mesmo é parar de rodeios. Fui lá e recorrer ao dicionário diz que Escafandro é uma vestimenta dos mergulhadores de águas profundas.
Que decepção! Me recuso a acreditar. Acho que me sinto um pouco "escafandrada". Pois bem, acho que esse é o verdadeiro significado dessa palavra. (Tatiany Fernanda Batista de Souza 3 º BEM - Amizade).

Cinquete

Caminhando pela rua, escutei uma conversa entre dois amigos, não me lembro bem o que diziam, mas só me recordo de ter escutado "... cinquete". Com minha imensa curiosidade comecei a imaginar o que poderia ser.


A primeira coisa que pensei foi que talvez fosse um tipo de vestiário feminino, pois homem que utilizaria algo chamado cinquete? Não soaria muito bem, né?


Então logo pensei que seria cinquete uma fruta ou verdura vendida na feira:


- Olha o cinquete, fresquinho, pode chegar dona Maria!


Bem, eu não comeria algo chamado cinquete, lembra pois rabanete.


De repente, me veio uma explosão de idéias: já sei cinquete poderia ser uma Ferramenta, um derivado ou numero de cinco, um xingamento ou, ou ... Já chega! Não aguento mais minha curiosidade. Então quando cheguei em casa fui direto ao dicionário Verificar o que cinquete ser vinha.


Já vi mais calmo que o cinquete É um ato de engano, erro ou comentário desastroso.


Ai meu Deus! Que vergonha! Acabei de cometer um cinquete! (Eduardo Henrique de Oliveira - 3 º B EM)




Idílio



Uma mente alucinada, no meio de sondar um palavras / Que a procurar /, achou aquela que fez a minha imaginação trabalhar. / Em meio à loucura de imaginar /, me achar um Aventurei / o significado para dar de /. O que a palavra Idílio revelar ira /, agora chega de rimar / e suposições formar irei /.


Idílio lembra muito índio, então poderia ser um parente próximo;
- 'Ei, por acaso você viu o Idílio José?
- Há o José Idílio foi exilado da Tribo. '
Ou quem sabe se encaixaria como uma marca de tênis.
- 'Marina gostou do meu novo tênis Idílio?
-Legal, onde você comprou? "
Poderia ser um novo tipo de lei no Brasil.
De "Por descumprir uma lei Idílio, sua sentença é a pena morte."
Ou quem sabe uma nova cor de esmalte.
'-Ei me vê aquele esmalte da cor Idílio. '
Agora literalmente viajei na batatinha. Seja qual minhas suposições FOREM, nenhuma delas se encaixa ao verdadeiro significado. Tanto rodeio pra nenhuma final descobrir que Idílio é:
SM. Tipo de poema campestre que se Desenvolveu Entre os antigos gregos fantasia Sonho, amor poético, suave, simples, puro, utopia. Simplesmente fale o que tiver de falar, e imaginar o que tiver de imaginar.
Ah, uma frase que se encaixaria seria para Idílio:
"Eu, sempre soube me defender em todas as circunstâncias," Menos da circunstância de te amar. "(Luís Mendes). (Nathália Moura Santos 3 ° EMB-Amizade)

Marketing
Esses dias estava pensando que tinha que escolher logo um curso para uma faculdade e resolvi procurar sobre marketing. Mas o que seria marketing? A principio Poderíamos pensar que um jogo é, ou talvez um sobrenome de algum descendente de alemães, mas achei meio estranho, porque iria ficar assim ", e ae pessoal vamos jogar no mercado amanhã?" Ou, "meu nome é Rodrigo Marketing". Ou até poderia ser o diminutivo de alguma coisa que poderia se chamar de mercado, eo diminutivo seria de marketing.
Nada disso faz sentido para mim, o mesmo deve estar sendo para você, então fui pesquisar e como alguns já Comercialização suspeitar Devem é uma palavra inglesa que não usamos tradução até mesmo porque não temos uma que se encaixe perfeitamente, mas se fossemos traduzir ao pé da letra seria "Mercadologia ou mercancia". Isso ajudou um pouco?
Vamos a regra básica do marketing, quando você quer alguma coisa temos quatro jeitos de fazer ou ter, o primeiro seria você ir lá e fazer por si mesmo, o segundo seria você ir manda alguém ir fazer, o terceiro seria você pedir para alguém fazer , eo ultimo é você dar alguma coisa em troca pelo que você quer, e os dois jeitos de dar mais certo é o primeiro eo último, vamos nos concentrar n ultimo que os dois sairiam ganhando, então tem altas chances de dar certo. O marketing é isso uma administração do produto desde seu começo até chegar ao consumidor, ou melhor, produção, divulgação e distribuição. (Antônio Franceschini Gabriel Ribeiro - 3 ° C).

Saltimbanco, o que seria?

Certamente não devemos julgar as palavras sem antes saber o verdadeiro significado delas.
Estava com minha tia andando pela cidade, quando passa uma mulher com uma criança, no colo, chorando.
E a mulher falava nervosa:
Ah esses saltimbancos que saco !!!!!!! Deveriam acabar
Eu, muito curiosa, perguntei para minha tia, o que seria Saltimbanco?
Ela com uma cara de não saber disse:
-Deve ser algo relacionado com o Banco, sei lá assalto em banco! ... É o que parece.
Tá. Me conformei com uma resposta não muito segura, e fomos embora.
Ao chegar a minha casa perguntei para minha mãe o sobre o significado da tal palavra. Ela também não sabia me dizer o que seria. "Sabe Pai, você?" Ele respondeu o mesmo que minha tia.
Deixei para lá, desisti de saber. Nem pesquisei.
No outro dia, na escola, minha amiga.
-Ah! ontem meu pai deu cinco reais para um saltimbanco no semáforo.
Me lembrei, COM OS olhos arregalados;
- O que é isso? Um assalto?!
Ela riu. "Não! Saltimbanco é uma pessoa, artista que se apresenta nas ruas fazendo acrobacias e mágicas".
Geralmente essas pessoas ficam vestidas de palhaço, com o rosto pintado. Deve ser por isso que uma criança chorava sem colo da mulher, deve te assustado uma criança.








 

43 comentários:

Gabriel Franceschini disse...

O primeiro comentário, fico lisonjeado. Pois bem, começamos as aulas com a apresentação oral das crônicas que fizemos, o tema sendo palavras que não conhecemos, gostei muito da minha sobre o Marketing, ainda falamos um pouco sobre a Palavra do Poder, e revisamos um pouco a literatura brasileira, onde se citou a Rachel de Queiroz, que me relembrou que eu estudava com a neta dela, e fizemos um trabalho sobre a escritora.

Antonio Gabriel Ribeiro Franceschini
Série: 3°MC

Gabriel Franceschini disse...

O primeiro comentário, fico lisonjeado. Pois bem, começamos as aulas com a apresentação oral das crônicas que fizemos, o tema sendo palavras que não conhecemos, gostei muito da minha sobre o Marketing, ainda falamos um pouco sobre a Palavra do Poder, e revisamos um pouco a literatura brasileira, onde se citou a Rachel de Queiroz, que me relembrou que eu estudava com a neta dela, e fizemos um trabalho sobre a escritora.

Antonio Gabriel Ribeiro Franceschini
Série: 3°MC

leonardo disse...

Nessa semana, tive a oportunidade de ler minha crônica, fiquei gelado e nervoso (como de costume), mas deu tudo certo!
Ainda nesta semana de aulas, continuamos a falar sobre a linguagem e a palavra, nosso maior dom de comunicação. Começamos a estudar com nosso "querido e adorado" Caderno/Revista do aluno, do Vol. 4 e do Vol. 1, ambos complementando as idéias já estudadas.
E ainda fizemos uma viagem literária, partindo da Carta de Caminha" até o grande Machado de Assis, através de um texto (que ainda iremos terminar...)

Leonardo Henrique 3ºEMC

Carolina Gisolfi disse...

Ah também falamos sobre os tipos de linguagem, do gênero, da profissão, as "tribos", e das regiões. E que foi inclusive muito interessante, pois não sabia que a mulher também é diferente na linguagem quando se comparada ao homem.
Falamos um pouco da história Literária brasileira, e ainda tem no texto que ainda não foi terminado, vários escritores que fazem e fizeram sucesso na literatura brasileira.
E é claro que nós aprendemos muito, pois a professora que tivemos no primeiro ano foi maravilhosa hahahaha. Né professora?

Vamos dar início a Revista do aluno. E já estamos terminando a leitura das crônicas, e eu ainda não li a minha!

Ariane disse...

Boa noite professora =D
Essa semana as aulas, como sempre, foram otimas.
Continuamos a falar sobre o poder da palavra, mas aprofundando cada vez mais a 'palavra' em si.
Também foram feita as leituras de algumas crônicas, com o tema ' palavras desconhecidas' e a galera levou bem a sério o tema, e isso fez com que além de termos uma aula bem descontraída, ainda encrementamos o nosso vocabulário.
Entramos também na revista do aluno, e a professora fez uma retrospectiva rapida da Literatura Brasileira, classificando-as com escritores que marcaram epoca.
Foram aulas muito produtivas e a cada dia mais estou aprendendo o verdadeiro valor da palavra, conhecendo ela a fundo e sabendo que ela deve ser usada com muito conhecimento

Beijos Professora =D

Ariane Caroline Gregório 3EMC

Daphne Prado II disse...

Boa noite professora.
Nessa semana, fizemos uma retrospectiva sobre a Literatura Brasileira, desde a "Carta de Caminha" a Machado de Assis , mas nesse tema , estavamos craques, tivemos uma professora Maravilhosa no 1º ano rs. Tambem continuamos a leitura das cronicas , algumas muito engraçadas, com palavras diferentes que atiçaram minha curiosidade.Espero que tenha gostado da minha, pois eu me diverti muito ao escreve-la rs.
Tambem demos inicio ao nosso amado caderno do aluno.

Bom Final de Semana professora !

Daphne G. Prado , 3ºem-C

Eduardo Henrique disse...

Oi!
Na aula do dia 09/03 teve a leitura de algumas crônicas com o tema "palavras que não sabemos os significados" com base na crônica "Defenestração" de Luís Fernando de Veríssimo.Foram muito legais as crônicas!Tambem vimos o módulo :linguagem e poder , o texto legal do livro didático.
Na aula do dia 11/03 teve a leitura de algumas crônicas(eu li a minha neste dia, espero que tenha gostado).Tambem vimos sobre a "Carta de Caminhas" e vários crônistas e poetas brasileiros.

Eduardo Henrique - 3°EM

Leticia disse...

Nessa semana iniciamos o estudo do caderno do aluno ,a professora piedade ditou um texto sobre o desenvolvimento da literatura desde mais de quinhentos anos atrás, mencionando primeiramente a “Carta de Caminha”, passando ao primeiro poeta brasileiro Gregório de Matos, depois ao romance com Gonçalves Dias, Álvaro de Azevedo, Castro Alves, José de Alencar e o grande romancistas Machado de Assis.No decorrer do texto foram mencionados grandes nomes da literatura brasileira, desde a descoberta do Brasil até o século 21, onde o hibridismos de literatura e jornalismo foi abordado.
Também ouvimos as Crônicas que em minha opinião estavam ótimas,adorei descobrir o que é alusão e paráfrase. Muitas crônicas ainda estão por vir e eu tenho certeza que serão maravilhosas.

Letícia 3°EMB

Lela disse...

Professora estou postando minha crônica que foi lida no dia 10/03 na quarta-feira.




Acobilhar

Sempre ouvi pessoas falarem:
-Na minha terra não se fala assim!
Quando mudamos de nosso estado para outro, deparamos com um modo diferente de usar as palavras e também o sotaque, foi o que aconteceu comigo quando eu fui viajar para o Ceará. É engraçado ouvir um sotaque tão diferente, e não é preciso ir muito longe para conhecer palavras estranhas.
Como lá é quente, eu sempre andava com uma garrafinha de água gelada. Decidi entrar em uma padaria para comprar um chup-chup:
-Moça tem chup-chup de morango?
Ela me olhou com uma cara de ponto de interrogação, e disse:
-O quê?! O que é chup-chup?
-Aquele sorvete comprido.
-Há! Você quer saber se tem din-din?
-É isso ai mesmo.
Por um instante pensei que o din-din que ela se referia era dinheiro.
Saí da padaria com o tal do din-din na mão pensando: - O que din-din tem a ver com chup-chup?Poderia ser dinheiro, menos chup-chup. E por alguns instantes eu ri sozinha.
Caminhando de volta para casa, passei perto de um senhor e escutei ele dizer:
-Eu vou acobilhar ela sim! Pode falar para Mônica dormir em casa hoje.
Pensei: - Nossa o que poderia significar acobilhar?E o senhor falou com um tom de voz agressivo. Poderia ser brigar ou talvez matar? Nem sei.
Cheguei em casa até esqueci de perguntar a minha mãe e não procurei saber o significado.Estava no quarto quando escuto minha avó gritar:
-Ei menino! Vai buscar as avuantes na fazenda de seu avô?!
Não era possível, só em um dia tanta palavra estranha. Meu primo pergunta:
-O que tu queres mesmo?
-Falei para você ir buscar as avuantes na fazenda de seu avô, porque eu quero acobilhar elas aqui em casa!
Pensei:- Meu Deus! Avó vai matar essa tal de avuante aqui em casa.Foi quando decidi perguntar:
-Avó afinal de contas, o que é acobilhar e essa tal de avuante?
-Sim menina! Acobilhar é acolher alguém ou algo, avuante é uma ave.
-Há que bom!Pensei que você ia matar essa avuante aqui em casa.
-Não.Mandei seu primo ir buscar elas,para acolher aqui em casa.tadinhas ficar nesse sol.







Emanuela 3ºc

danilopereira1607 disse...

professora as aulas dessa semana comessaram com a leitura das croncas feitas pelos alunos, depois dicutimos o poder da palavra e por ultimo revisamos o conteudo sobre Literatura brasileira que espera ser concluído.

Lucas Gouvea disse...

Mais uma semana de estudos, logo iniciamos com a leitura das crônicas produzidas pelos alunos,e eventualmente apareceram palavras bem engraçadas, que estimularam nossa imaginação e capacidade de sugerir possíveis significados.
Após cada leitura era requisitado a um aluno uma nota de 0 a 1 para a crônica(ah professora, pouco suspeito pedir para o melhor amigo do autor avaliar o texto). Brincadeiras à parte, iniciamos então após algumas leituras a literatura brasileira, que teve origem na Carta de Caminha, um documento destinado ao rei de Portugal contendo informações em forma de prosa(partindo daí a influência dos cronistas humanistas do século XV)da então colônia de Portugal que viera a se tornar estado independente: Brasil.
Concluímos a semana citando os mais importantes poetas fundados da Literatura Brasileira, que irão ser posteriormente estudados segundo cada escola literária.

Lucas Gouvea disse...

Lucas Gouvea 3º EM C (sempre esqueço ¬¬)

luiza disse...

Nesta semana começamos a criação e leitura de crônicas que diz respeito á palavras que não eram de nossos conhecimentos...
Também fomos apresentados ao nosso "querido" livro didático (ou arma didática...), lendo o primeiro capitulo que iremos estudar: Linguagem e poder, vendo o texto "Normas para a reger a vida", que demonstra que, quase todas as pessoas tem dificuldades para aceitar um "não" como resposta.
E como Lingua Portuguesa não é só gramática, nos foi proposto a leitura dos livros "Vidas secas" de Graciliano Ramos e "Cidadão de Papel" do jornalista Gilberto Dimeinstein.

Mas não podemos deixar de relatar o texto onde a professora demonstrou o porque é uma das poucas ótimas professoras de portugues que eu conheço...(e olha que eu não gosto muito da matéria..). Um texto onde ela volta para a literatura brasileira grifando alguns dos melhores escritores do país.

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

ANTÔNIO, QUE CHIQUE!!! ENTÃO SE PREPARE PARA FALAR DA GRANDE MARAVILHOSA RACHEL DE QUEIROZ QUE JÁ BRILHOU EM TEU PRIMEIRO ROMANCE, ESCRITO AOS 18 ANOS. "O QUINZE"( QUE TRAZ COMO PANO DE FUNDO A SECA NORDESTINA DE 1915 E TODOS DRAMAS REAIS E FICCIONAIS DENTRO DESSE CONTEXTO)

LUISA, REALMENTE VOCÊ É UMA QUERIDA. RASGAÇÃO DE SEDA A PARTE, VOCÊ CONSEGUIU FALAR COM MUITA COMPETÊNCIA DAS ABORDAGENS DA SEMANA. ESSA "ARMA DIDÁTICA" FARÁ DIFERENÇA EM NOSSAS VIDAS. PODE ACREDITAR.

PARABENIZAR TAMBÉM LUCAS GOUVEIA E LETÍCIA PELOS COMENTÁRIOS PERTINENTES AS AULAS.

carlos_corinthians92 disse...

Esta semana nas aulas de Língua Portuguesa, pudemos ouvir algumas crônicas de nossos colegas de classe, percebemos que cada um tem um modo diferente de escrever, cada um tem o seu "ESTILO". Iniciamos a exposição da palavra do poder (Leis, contratos, etc.).
Como não estava presente na aula de quinta-feira por motivos de saúde, peguei com nossa colega Tatiany, e vi que a professora tinha ditado um texto que nos mostra grandes poetas e romancistas de nosso querido país,desde o descobrimento com a “Carta de Caminha” até os dias de hoje e foram lidas mais algumas crônicas.

Carlos Oliveira - 3ºEMB

Paulo Victor disse...

EM RELAÇÃO AS AULAS DOS DIAS,
09/03 E 11/03,
A PROFESSORA INICIOU INDICANDO
A LEITURA DE DOIS LIVROS:
''O CIDADÃO DE PAPEL''
DE GILBERTO DIMENSTEIN E
''VIDAS SECAS''
DE GRACILIANO RAMOS.
CONTINUOU A LEITURA DAS CRÔNICAS DOS ALUNOS E DEU DICAS A ALGUNS, PARA QUE PROGREDISSEM EM SUA ESCRITA.
PROPÔS O INÍCIO DAS ATIVIDADES DO CADERNO DO ALUNO
(FORNECIDO PELO GOVERNO),
DITOU UM TEXTO
(FEITO POR ELA NAQUELE MOMENTO)
QUE HAVIA INFORMAÇÕES SOBRE A DESENVOLTURA DA LITERATURA BRASILEIRA DESDE
''A CARTA DE CAMINHA'' ATÉ OS FAMOSOS E-BOOKS UTILIZADOS HOJE EM DIA.

PAULO VICTOR 3ºE.M. B

Johnathan disse...

Nas aulas dessa semana, iniciamos com a leitura de algumas crônicas produzidas pelos alunos e definimos o dia das aulas do livro didático e do caderno do aluno.Além das propostas de leitura do bimestre: "O cidadão de Papel", de Gilberto Dimeinstein e "Vidas Secas", de Graciliano Ramos.
Iniciamos o módulo do livro didático "Linguagem e poder:o texto legal, de Simone Gonçalves da Silva, e como eu disse apenas iniciamos, pois logo bateu o sinal.
Na aula seguinte, começamos novamente com a leitura de mais algumas crônicas algumas bem engraçadas, e fomos surpreendidos com a quebra de um padrão seguidos por até então todos alunos, de que foi mudada uma vertente de ser escolhido uma palavra desconhecida e estranha para uma vertente de nomes estranhos.Iniciamos o estudo da situação de aprendizagem 1 da apostila n°4 do 2°ano, e da situação de aprendizagem 2 da revista n°1 do 3°ano.
E finalizamos com um texto que resumiu a história da literatura brasileira ao longo de mais de 500 anos, começando com a "Carta de Caminha", passamos pelo poeta brasileiro Gregório de Matos, depois romancistas Gonçalves Dias, Alvares de Azevedo, Castro Alves, José de Alencar e Machado de Assis.Além deles destacaram-se Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraees e muitas mulheres conquistaram seu espaço, Clarice Lispector,Cecília Meireles, Rachel de Queirós, Adélia Prado, Ligia Fagundes Teles, Elisa Lucinda entre outras.E no século XXI, vimos o cruzamento de literatura e jornalismo que foram parar no cinema como Carandiru, Cidade de Deus e Falcão Meninos do Tráfico.

Johnathan T 3°EMB

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

Tochio, como sempre ativo!!!!!!! Parabéns por não deixar escapar detalhes relevantes para a compreensão por meio de teu olhar atento e acolhedor.
até

Marcelo Luis disse...

Nas aulas de 09/03 E 11/03 , continuamos com as cronicas produzidas pelos colegas de classe que variaram com muitos estilos diferentes.Começamos a estudar o "Caderno do Aluno" do segundo ano do EM vol 4 e o do terceiro ano Vol 1.
Alem disso a professora nos indicou dois livros 'o cidadao de papel'
de Gilberto Dimenstein e
'vidas secas' de Graciliano Ramos

jessica costa miguel 3EMA disse...

Nesta semana foram feitas as leituras de algumas crônicas produzidas pelos alunos com base na crônica de Luiz Fernando Verissimo, "Defenestração".

Os alunos, na minha opnião não fugiram do tema que era palavras estranhas, diferentes, que as pessoas não usam e quando escutam pensam mil e uma coisas e muitas vezes não chegam no seu significado verdadeiro, todas de ótima qualidade, e na próxima semana continuaremos com as leituras e com os desenvolvimentos das revistas (volume 4 do 2º ano e volume 1 do 3º ano), sem esquecer do módulo do livro didático "Linguagem e Poder":O texto legal, de autoria de Simone Gonçalves da Silva págs 793 a 816; e das apostilas "O Poder da Palavra e a Palavra do Poder"e "Nas Asas da Autoajuda".


Jessica Costa Miguel 3ºEMC

mandiihsz disse...

as aulas desses dias foi mais a apresentação das crônicas dos alunos eu gostei muito pois tinha varias palavras desconhecidas que ja dava um repercurso na sala mais o significado era uma coisa simples que não era tão exagerado do jeito que agente estava pensando.
Amanda Jessica dos Santos 3°C

Natalia C. disse...

As crônicas foram maravilhosas nessas semanas! Nunca pensei que seria capaz de fazer uma crônica!Já que não sou acostumada a este tipo de gênero textual.Mas apareceram excelentes obras também.Adorei ouvi-las.
Principalmente a de Marcos Ruan, que é uma pessoa que sempre que escreve algo me mostra antes de ler para a sala e me pergunta se esta bom! E não é que ele escreve bem professora? E também fico muito feliz pelos elogios sempre que leio.Sabe que vivo disto não é? se não escrevo,morro (já dizia Clarisse Lispector).
Ah! Foi citado na sala de aula em um texto produzido pela professora, no caso a senhora falando da Carta de Caminha e viajando por todos os grandes nomes da literatura brasileira!
E que autores não?!
Continuamos com a palavra do poder em discussão,e a apostila do governo,quee stão aguçando a imaginação do pessoal e fazendo-os explorar sua capacidade de pensar e de saber o que dizer!

Natalia C. disse...

ESQUECI DE DEIXAR NO TEXTO:

*NATALIA CAPI 3º EMB

(desculpa professora)

junior disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
junior disse...

Foram realizadas as leituras de algumas crônicas,feitas pelos alunos com base na crônica de Luiz Fernando verissimo "Defenestração".Iniciamos o livro didático ,vimos o primeiro capitulo que iremos estudar: Linguagem e Poder, vendo o texto "Normas para a reger a vida",e revemos um pouco da Literatura Brasileira, partindo da carta de Caminha até Machado de Assis.

José luiz da Silva Junior
série:3º EMC

charlles disse...

Esta semana continuamos a ler os crônicas produzidas pelos alunos ,todos as crônicas ficaram boas e bem criativas depois a Professora leu a crônica que eu acho que o titulo é “Marcelo Marmelo Martelo”e foram lidas mais crônicas produzidas pelos alunos .Começamos a estudar o Caderno do Aluno,mas dessa aula não da para eu comentar pois eu sai mais cedo.

charlles disse...

Esta semana continuamos a ler os crônicas produzidas pelos alunos ,todos as crônicas ficaram boas e bem criativas depois a Professora leu a crônica que eu acho que o titulo é “Marcelo Marmelo Martelo”e foram lidas mais crônicas produzidas pelos alunos .Começamos a estudar o Caderno do Aluno,mas dessa aula não da para eu comentar pois eu sai mais cedo.

Charlles Kaê de Paula 3°EMB

Gabriella disse...

Olá professora,
nesta semana não posso dizer muito sobre as aulas pois na terça-feira infelizmente não pude estar presente, mas na quinta lembro-me que no inicio da aula alguns alunos leram as crônicas que produziram, e na minha opinião estavam muito boas, seguindo os critérios de avaliação que a senhora hevia nos dito que seriam cobrados, apesar de nenhuma ter recebido a nota maxima, mas acredito que isso irá melhorar se continuarmos com esse trabalho de produções textuais e com a vontade de todos. Também continuamos a falar sobre o poder da palavra, o quanto saber lidar com ela é importante, e começamos a trabalhar com o tão querido e amado caderno do aluno rs.
Beijos
Gabriella 3°C

Tatiany disse...

Nessa semana nas aulas de Língua Portuguesa continuamos com a leitura das crônicas produzidas por nós alunos. Foi a semana que li a minha e quase morri de vergonha diga-se de passagem (rsrsrs). Não há como falar das crônicas que foram lidas pelos meus colegas pois são todas maravilhosas e algumas divertidíssimas. Cada um com seu estilo, cada um com seu modo de ver, de sentir, de falar e de se expressar por meio da palavra.
E retomamos o tema "O Poder da Palavra e a Palavra do Poder".

Tatiany Fernanda 3º EMB - Amizade.

Gabriela disse...

nas aulas do dia 09/03 e 11/03 nós iniciamos a compreensão dos conteúdos do livro didático e caderno do aluno. A professora ditou um texto do qual descreve quase 500 anos de literatura! É impressionante ver como as coisas mudam e evoluem ao longo dos anos.
O evento que mais me cativou nessas ultimas aulas foram a leitura de mais crônicxas feitas pelos alunos. É muito legal ver a imaginação e a criatividade de todos!


Gabriela Sales 3ºEM B

laurinhamt disse...

poder da palavra: a nossa boca é abençoada, todos nós tewmos poder (o porder da palavra), mias devemos ver bem se usamos para bem ou para o mal.
Podemos desejar o bem como dizer: eu te amo, te perdou, mas também dixer ao contrario, mais cabe o ditado que vc colhe aquilo que vc planta.
Nossas palavras tem poder sim, mas depende como iremos usa-la.
Valew professora pela aula. Bjos ellen

laurinhamt disse...

Porque Não?
A palavra não é bem comum, vc escuta todos os dias.
O não serve para varias coisas, para alertar, irritar e cuidar.
Muitos não gostam do não, mas precisam do não pra não virar bagunça.
Mas a maioria não respeita o "não" como "não jogue lixo", "não pixe", "não pise na grama", não não não. Mas mesmo assim fazem.
O não para lei não serve, talves fosse sim quem sabe eles não faria, somos todos do contra.
Beijs
Ellen Laura

luiza disse...

Nesta semana terminamos de fazer uma síntese da nossa riquíssima literatura que já completa seus 510
anos. Começavamos a ver também a origem das crônicas, das leis, da literatura. Por exemplo, as crônicas nasceram em Portugal para contar o cotidiano do rei, e hoje faz parte de nossas leituras contando divertidas histórias do nosso cotidiano; e as leis começaram e serem impostas a partir do momento em que o ser humano passou de nômade para sedentário.
E para fechar a semana com "chave de ouro", foi-nos proposto a apresentação de uma síntese do texto feito pela professora e mais tres textos presentes neste blog, retratando em poucas, mas ricas palavras a literatura que nasceu na morte da liberdade.

sophia disse...

Oi professora,
Nessas aulas continuamos falando sobre 'o poder da palavra' eu gosto desse assunto.
Estou cada vez mais me sentindo a vontade nas aulas,para conversar com a turma em geral sobre os assuntos discutidos na sala.
Sobre as crônicas gostei muito,cada idéia,algumas engraçadas,gostei bastante.
Obrigada por posta minha crônica!

daiana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
daiana disse...

Esta semana, alguns alunos poderam ler sua cronica, baseada na do luis fernando Verissimo "defenestração".Falamos sobre as varias formas de comunicação,como elas podes ser diferentes,entre jovens e pessoas de mais idades,de determinadas profissões,e até mesmo entre mulheres e homens,pela região onde você mora e etc.E demos inicio ao caderno do aluno.

Gabriel Carvalho disse...

Olá Professora, essa semana alguns alunos leram suas crônicas, baseado em "Defenestração" de Luiz Fernado Verissimo.
Tambem fizemos uma retrospectiva sobre a Literatura Brasileira, desde a "Carta de Caminha" a Machado de Assis e o caderninho do aluno vol. 4 e vol. 1

Gabriel Cauê 3° EMC

guilherme disse...

Boa noite professora, em começo de tudo só hoje estarei postando essa hora, pois foi a semana mais corrida minha, mas isso não vem em vão.
A aula da semana, foi ao decorrer de crônicas.Crônicas que por acaso foram engraçadas e ao mesmo tempo dava seu ar de suspense, foram aulas maravilhosas e que pude muito bem aproveitar.
Ouvimos rapido sobre a literatura brasileira que entro em questão os poetas portugueses P.Anchieta e Gregório de Mattos, e sobre o movimento chamado Reforma x Contra reforma.

Guilherme Augusto Moreira Sbecker

guilherme disse...

Guilherme A.M Sbecker 3ºC( esqueci de colocar)

Lela disse...

Emanuela 3 EMC.

As aulas dessa semana particularmente foram excelentes para mim, muito produtivas. No dia 23/03 a maioria dos alunos executaram a tarefa sobre os artigos “Direitos Humanos”, discutimos a importância de saber nossos direitos de cidadãos, aprendemos um pouco mais sobre os artigos desconhecidos para nós jovens do 3EMC.
Hoje dia 25/03 fiquei, quer dizer, fico impressionada com a capacidade e a sabedoria de minha professora Maria Piedade Teodoro, que ao falar sobre LITERATURA sua mente expandi e viaja pelos séculos argumentando sobre os grandes escritores de antigamente,como por exemplo:
Cláudio Manoel da Costa (grande escritor do Arcadismo)
Victor Hugo (escritor da literatura Francesa) entre outros.
Falamos que a literatura nasce no século XVI com a carta de Pero Vaz de Caminha, que faz um sacrifício pelo genro viajando com os Portugueses e escrevendo o todo decorrer da viajem e a chagada no Brasil. Damos essa volta no século XVI para falarmos sobre a literatura do século XX.
Com o romantismo que a literatura nasce numa influência artística (segundo críticos) e nasce principalmente na França.
Também citamos grandes escritores da língua portuguesa que não pode faltar: José de Alencar, grande escritor Brasileiro em prosa. Castro Alves e Machado de Assis. Falamos também sobre suas obras e a professora citou livros e filmes para que possamos aprofundar ainda mais no assunto.

luiza disse...

Esta semana as aulas foram muito interessantes para mim, pois vimos a literatura através da história. Estudamos como era visto o escritore Gregorio de Matos(alcunha), o que aconteceu com "Dirceu", Carlos Manuel da Costa e Joaquim da Silva Xavier (Tiradentes).
Também começamos a estudar o Arcadismo, que teve sua origem em Minas Gerais, e tem como Primeira caracteristica o "bucolismo"-contato direto, tranquilo com a natureza-.
Então finalmente vimos o Romantismo, que teve sua origem na Inglaterra, França e Alemanhã, e os escritores francês e ingles respectivamente Victor Hugo(escreveu O Corcunda de Notre Dame) e Alexandre Drumas (Os tres mosqueteiros).
No Brasil, a primeira geração do Romantismo foi marcada por Golçalves Dias e José de Alencar com seus livros que abrangiam todos os assuntos, como indigenas, históricos, melancólicos...
Já a segunda geração, tem como base o pessimismo, clama pela morte, a evasão do tempo, do espaço, e foi marcado pelo escritor Cazimiro de Abreu.
A partir de 1881 aparece o lendario Machado de Assis para encerrar esse estilo literario e deixando espaço para o Modernismo (séc.XX-XXI)

jessica costa miguel 3EMA disse...

Iniciamos a situação de aprendizagem 1 "A Prosa Renovada", pág 3 a 16 (volume 4 do 2° ano) e iniciamos o assunto " Modernismo e Pós Modernismo" lembrando um pouco sobre o começo da literatura brasileira, sem esquecer dos famosos escritores que marcaram essa epóca até hoje. Fizemos uma comparação do Romantismo com o Modernismo, sendo um o olhar ideal da vida e o outro o olhar real do mundo, o olhar crítico.

Jessica Costa Miguel 3EM C

Carolina Gisolfi disse...

Já iniciamos com a Revista do Aluno, antes disso foi feita uma passagem pela história e conversamos até o Modernismo.
Foi feito também uma comparação interessante do Modernismo com o Romantismo, e foi dito que ambos buscam resgatar o Brasil, a nação, o jeito, ideias, costumes, tradições. Seria resgatar a liberdade. Mas que também o Romantismo enfatiza a idealização, já o crítica, ele vê o real.
Foi encaminhado algumas obras clássicas, para dar uma lida.