domingo, 28 de março de 2010

REVISITANDO AS AULAS SEMANAIS DO 3ºs ANOS "B" e "C" 2010 DOS DIAS 23/03 E 25/03

NESSA SEMANA QUE FINDOU A ÊNFASE FOI NA DISCUSSÃO SOBRE OS 30 ARTIGOS CONSTITUINTES DOS DIREITOS HUMANOS ATÉ ENTÃO DESCNHECIDOS PELA A MAIORA DOS TERCERANISTAS DO JC.
JÁ ESTAMOS DISCUTINDO A PROSA RENOVADA DO SÉCULO XX COM BASE NO ESTILO DE OSWALD DE ANDRADE - a presença do cenário urbano com todos os ruidos das máquinas e a pressa do dia-a-dia (SUGESTÃO: pesquisa sobre a biografia do escritor em questão). ANTES, NO ENTANTO, FECHAMOS A EXPOSIÇÃO “De Caminha aos dias de hoje”: aspectos relevantes de cada estilo/movimento com seus respectivos representantes, acompanhados de exemplares de textos literários. (proposta de trabalho também para os grupos para apresentação dia 08/04/2010 por meio dos programas power-point ou movie maker).


É importante destacar que, ao viajar pela história da literatura brasileira, se enfatizou o hibridismo da literatura contemporânea dos finais dos anos 90s, como “Cidade de deus”, os romances de Ferrez, dentre outros.


Falando em Ferrez, o romance dele trouxe polêmica em escola na Bahia. Espero que o livro não seja queimado, por puro autoritarismo, em praça pública como os do baiano mais amado, Jorge Amado, nos anos 30s.


Leia a notícia abaixo:
Conheça "Capão Pecado", livro que provocou afastamento de professora na Bahia

"Capão Pecado" causa polêmica escolar na Bahia e em Minas Gerais
"Filho da puta", "porra" e "bosta", entre outros palavrões frequentes na linguagem coloquial, provocaram o afastamento de uma professora da Diretoria Regional de Educação em Feira de Santana (BA), informa o jornal "Correio da Bahia".


O motivo: adotado nas aulas de português da oitava série, o livro didático "Linguagem - Práticas de Leitura e Escrita" (Global e Ação Educativa), de Anna Christina Bentes, reproduzia trecho de "Capão Pecado", do escritor paulista Ferréz. A obra é ambientada em Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, e utiliza as gírias no texto para reproduzir a linguagem oral da periferia.


Não é a primeira vez que "Capão Pecado" causa controvérsia. No ano passado, pais de alunos e a Secretaria da Educação de Minas Gerais também discutiram se o uso de palavrões no livro não era um motivo para evitar a leitura por adolescentes nas salas de aula.


Segundo o "Correio da Bahia", em Feira de Santana, a direção da Escola Estadual Godofredo Filho justificou que a professora afastada usou o livro didático sem conhecimento do conteúdo de "Capão Pecado". O título foi escolhido como substituto para o livro oficial, que teria demorado a ser entregue pelo MEC (Ministério da Educação), segundo o jornal.


Na descrição da editora Objetiva, "Capão Pecado" descreve um lugar "abandonado por Deus e batizado pelo Diabo, usando a linguagem do gueto para personagens tão reais e sem futuro. É miséria, violência, droga e morte". Como o autor o define, é "um livro de mano para mano. É ácido e violento. É um grito".


Em seu blog, Ferréz disse que a professora afastada "está sendo vítima de perseguição" e criticou o jornal que publicou a notícia sobre o caso.
"Torço para que os responsáveis pela secretaria de educação não se deixem manipular pela reportagem do jornal Bahia Meia Dia, que fez uma reportagem tendenciosa e preconceituosa sobre o livro, pra quem não sabe o jornal é do Grupo Rede Globo de televisão. Num país onde programa como Pânico na TV mostra até o 'útero' das mulheres, e onde nosso símbolo de carnaval é uma mulher negra nua rebolando com a vinheta da Globo, até que eu devo estar errado mesmo, por tratar de temas como a Aids e machismo."
"Capão Pecado"


Autor: Ferréz
Editora: Objetiva
Páginas: 152
Quanto: R$ 35,90
Onde comprar: 0800-140090 ou na Livraria da Folha ou melhor em uma biblioteca mais perto de você.
(http://livraria.folha.com.br/catalogo/1091346/capao-pecado


CRONISTAS DO JC

Anidropodoteca



Estava eu, todo exuberante, “paquitão’’, quase pronto para ir a um “casório’’, onde seria padrinho, quando menos esperava, cai aquele “pé d’água’’.
O que eu poderia fazer? , uma telepatia? , transportar-me por pensamento? Bom, seria o único jeito de chegar até lá sem me molhar.Minha mãe, vendo minha situação, berrou lá da cozinha:
- Ô animal, pra que é que serve a anidropodoteca? Isso não foi feito para mangrar (inutilizar), viu!
Eu cheio de dúvidas, fiquei a imaginar, anidro... anidro... anidro...
Seria uma capa igual a do super homem só que impermeável?
Ou seria uma carruagem? , para mim naquele momento, até uma carroça, dava jeito.
Não sei muito, mais suponho que quem inventou uma palavra dessas, devia de estar pensando no nome da mãe, da tia, do pai, da avó e pegou as inicias do nome de cada um, resultando naquela palavra.
Com uma dúvida petulante, insistente, resolvi pesquisar no dicionário, porém nem no Aurélio havia tal palavra e, nisso minha mãe joga algo no sofá e fala:
-Toma, vê se coloca direito viu, e o guarda chuvas está em cima da mesa.
Peguei o saco preto e, ao abri-lo, avistei um objeto parecido com uma bota de borracha, que ao comprar a roupa do “casório’’, veio junto com o sapato de couro alemão, para proteger da água, pois o couro é muito sensível a umidade.
Não tinha menor idéia que galocha, (uma bota de borracha, que em caso de chuva não permite que a umidade entre em contato com os pés) seria a tal da anidropodoteca. (Marcos Ruan dos Santos Souza 3ºEMB Amizade)







27 comentários:

Gabriel Franceschini disse...

Professora, primeiramente queria avisar que esse comentário será duplo.

Lemos os artigos da DUDH, e para poder aprender mais sobre nossos direitos universais, aqueles que regem no mundo tudo, não importam onde você esteja sempre estará sendo valido, é bom lembrar que foram criados após a 2° Guerra Mundial, depois do vasto genocídio ocorrido. Também demos continuidade a historia da literatura relembrando quando a literatura começou a ser brasileira, pelo romantismo depois passamos para o realismo e naturalismo, até chegarmos o modernismo e pós-modernismo.

Antonio Gabriel Ribeiro Franceschini
N°:03
3°MC

Nesta semana na terça-feira apresenta, mas alguns artigos do DUHU (Declaração Universal dos Direitos Humanos). Foi uma ótima experiência não só no conhecimento que adquirimos, mas também puder refletir sobre nossos direitos e sobre a sociedade e se eles são realmente cumpridos. Na quinta demos continuidade à história da literatura, viajamos mais no tempo, relembramos desde os motivos de caminha para navegar dos sermões de Padre Anchieta, até os dias de hoje com Clarice Lispector e tratando da desigualdade social como Carandiru, Cidade de Deus a verdade nua e crua). Consegui observar que a literatura veio evoluindo e com essa evolução também veio uma forma mais liberal de escrever, não deixam do à formalidade dos tempos antigos, mas olhando de cima nova versão tratando com humor, com desigualdades e uma linguagem que trata razão e emoção

Ariiane Carooline Gregório
N°:04
3°MC

sophia disse...

Bom nas aulas dos dias 23/03 e 25/03 falamos sobre DUDH,cada um levou um artigo,legal pois conheci aqueles que não sabia que existia ainda.
E se é nosso direito temos que saber,para usar quando necessario!
Iniciamos a 'REVISTA' nas aulas de quinta-feira.
Estou gostando das nossas apresentações de trabalhos,sempre surgi um debate sobre o assunto falado,uns acham certo outros não.!

Tchau professora!!!!

leonardo disse...

Nas aulas da semana alguns alunos apresentaram os artigos da DUDH escolhidos, explicando sobre o cada um quer dizer.
Aprendemos sobre a importância da DUDH na hora de reivindicarmos nossos direitos. Aprendemos também sobre a história da DUDH e como o ser humano precisou derramar sangue pra promoverem Direitos Universais que, infelizmente, ainda não são plenamente cumpridos.
Também estudamos com a Revista/Caderninho!

Leonardo Henrique 3ºEMC

Leticia disse...

Nessa semana abordamos na terça feira, uma discussão sobre os artigos da constituição brasileira,discutindo sobre diversos pontos das leis, abordando temas como preconceito,liberdade,etc.
Na quinta feira começamos a analisar um conto de Carlos Drummond de Andrade, onde podemos perceber que o autor do século XX se empenhava em não seguir os padrões dos contos do século XIX,e como no texto “sem Botafogo,mas com etc.-Homenagem a Oswald de Andrade”,busca defender um novo conceito de arte literária.
Também relembramos, que o conto é um gênero literário com uma única unidade dramática,um só conflito,e que o conto é uma narrativa curta e com o enredo fictício, criado pelo autor.
A professora citou grandes contistas como: Machado de Assis,Monteiro Lobato, Mario de Andrade,Carlos Drummond de Andrade,Raquel de Queiroz, Clarice Lispector,dentre outros que não mencionamos.


Letícia3°B

Gabriel Carvalho disse...

Olá professora. essa semana ttrabalhamos em cima do DUDH (DECLARAÇÃO UNIVERSAL dos DIREITOS HUMANOS) com a apresentação de alguns alunos com o término no Art. XVIII.
Tambem estudamos a revista e com a história da literatura brasileira.

Paulo Victor disse...

Olá professora,
Essa semana voltamos a falar sobre a Literatura Brasileira,terminamos nossa viagem literária através de um texto.
Foi bem interessante uma introdução para trabalho em grupo.
Fizemos a leitura do texto de Oswald De Andrade''Sem Botafogo, mas com etc.'' e debatemos sobre o texto, chegando a conclusão que o autor fala da vida corrida dos moradores de São Paulo décadas atrás.
Trabalhamos em cima da DUDH (DECLARAÇÃO UNIVERSAL dos DIREITOS HUMANOS) com a apresentação oral de alguns alunos, referente aos artigos da mesma e, discutimos sobre o conto ''nossa amiga'' do caderno do aluno, debatendo também sobre o que seria conto.

PAULO VICTOR 3º EM B

Renata disse...

Começamos a terça feira com as apresentações dos artigos do DUHU - Declaração Universal dos Direitos Humanos, onde a dupla de alunos tinha a tarefa de abordar em sala um dos artigos e explicá-lo. As aulas foram interessantissimas pois pudemos aprofundar nosso conhecimento e nossos direitos. O fato mais interessante é que poucos tinham realmente conhecimento dessa realidade, interesse ou até mesmo acessibilidade. Com a ajuda da professora fomos entendendo mais, pois ela nos explicou com detalhes e exemplos e em alguns temas até surgiram perguntas e pequenos debates. Mais a realidade que vimos também é que nem metade desses artigos são realmente levados á sério - talvez por falta de conhecimento -. Na literatura foi relembrado mais uma vez Caminha e Padre Anchieta chegando até Clarice Lispector. Vimos as metamorfóses da Lingua e os novos meios de expressões por ela. As diferenças sociais e culturais. Nossa realidade atual.

Renata Lopes 3°EMB

Daphne Prado II disse...

Olá Professora.
Essa semana fizemos à apresentação dos artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e a professora explicou cada artigo apresentados por nós.
Também retomamos a Literatura Brasileira, a partir do século XVI, inicia-se a Literatura no Brasil bom não podemos dizer que era Literatura propriamente dita, nos primeiros 100 anos eram relatos em forma de crônicas.
Vimos os principais poetas da época como: Manoel da Costa; Thomas Antonio Gonzala e Tiradentes que não era poeta mais faziam parte do grupo que questionavam as atitudes de Portugal e estavam a favor da Independência.
Arcadismo: Bucolismo - Viver a Vida em contato direto com a Natureza.
O grande Poeta do Arcadismo é Claudio Manuel da Costa.
Com o Romantismo que nasce a Literatura propriamente Brasileira com a Independência do Brasil em 1822.
Vimos os principais nomes da época como: José de Alencar, Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Castro Alves e Machado de Assis para fechar o século XIX.
Século XX – Modernismo e Pós Modernismo.
Vimos que só com o governo de “JK” que tivemos a 1º Metalúrgica no Brasil, em Volta Redonda em Minas Gerais. Então foi após da Segunda Guerra Mundial que trouxe a oportunidade se ser um Pais Industrial.
Todo esse conceito sofreu mudanças substanciais da Arte.
Em 1922 comemorando a Independência política, porem não cultural era dependente culturalmente e economicamente da influencia Européia.
O Romantismo e o Modernismo, ambos buscam resgatar o Brasil, os costumes as tradições, ambos buscam retratar a personalidade verdadeira dos Brasileiros. Porem o romantismo enfatiza a idealização e já o modernismo a critica.
A arte no modernismo começa com um assunto polemico que é a Desigualdade Social, mostra isso retratado em “Os Sertões” de Euclides da Cunha.
Bem essa semana as aulas foram muito interessantes, procurei as Obras que a professora indicou.

Daphne G. Prado 3ºEM-C.

ESPAÇO DE LÍNGUA E LITERATURA disse...

DAFNE, BOM TEXTO, MAS PRECISA REVER ALGUMAS INFORMAÇÕES ERRÔEAS, COMO A 1ª METALÚRGICA NO GOVERNO DE JK E AINDA VOLTA REDONDA SER MINAS GERAIS.

ACERTE O TEXTO.

charlles disse...

Esta semana começamos as apresentações do trabalho sobre o DUDH(Declaração Universal dos Direitos Humanos),a professora leu e explicou alguns artigos e comentou e explicou sobre os artigos apresentados inclusive eu apresentei o meu que era sobre o Artigo 7 que o direito a Liberdade pessoal .Na terça-feira continuamos a debater o texto sem Botafogo mas com etc .Que mostra a agitação da cidade de São Paulo, a professora ditou um texto respondendo as perguntas sobre o texto “sem Botafogo,mas com etc”.Fizemos a leitura e análise do texto “Nossa amiga” e a professora falou sobre alguns grandes Contistas Brasileiros.
Charlles Kaê de Paula 3°EM B

Carolina Gisolfi disse...

Professora, como eu achei que era pra postar no postagem antiga eu postei naquele primeiro, por que o dia que postei a senhora ainda não havia colocado esse post, ai pensei que não haveria post algum sobre essa semana.
Aí fui ver hoje, não está o post nem aqui nem lá minha postagem!!

Mas foi feito uma apresentação da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Foi lido e analisado o texto da Revista do Aluno "Sem Botafogo, mas com etc. - Homenagem a Oswaldo de Andrade", texto interessante, sem pontuação, propositalmente para afazer a imagem do agito de São Paulo.

Foi feita uma passagem da história da literatura, e foi comparado Modernismo com Romantismo, e que ambos buscam resgatar costumes, ideologias e liberdade.
Porem com o Romantismo enfatizando a idealização, e o Modernismo a crítica, vê as dificuldades e desigualdades.

Carolina Gisolfi disse...

Ah, achei!!

http://piedadeteodoro.blogspot.com/2010/03/revisitando-as-aulas-semanais-do-3s.html

Hahahaha que confusão!

Natalia C. disse...

Para quem não tinha um conhecimento amplo sobre os diversos artigos da DUDH, foi uma aula muito interessante,pois aprendemos a compreender muitos artigos,e a interpreta-los melhor.
Inclusive muitos alunos estão podendo falar sobre um artigo escolhido,e discuti-lo com a classe.As aulas tem mostrado que tudo baseia-se em uma liberdade de expressão,portanto talvez o afastamento dessa professora em BH,tenha sido injusto.Pois cada um tem um estilo de escrever,e expressar-se.E um dos artigos da DUDH é justamente isso,TDOS TEM DIREITO A LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

Dedeco disse...

oi professora gostei muito da aula dessa semana,passei para ver videos;e dizer que vou estudar para prova

jessica costa miguel 3EMA disse...

Esta semana conversamos um pouco mais sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) com exposição de cartazes e começamos a elaborar maneiras de se fazer uma exposição na escola toda sobre o assunto em questão, fazendo uma junção dos 3° anos.
Esta apresentação para a escola será uma ótima maneira de mostrar a aqueles que não conhecem este documento do qual somos os mais interesados.


Jessica Costa Miguel 3° EMC

Nathália M.Santos disse...

As aulas dessa semana de Língua Portuguesa do dia 30 de março e 01 de abril de 2010 continuaram com as discussões sobre 'A defesa da liberdade de expressão' sobre os artigos da Declaração Universal na parte do livro didático e como proposta de trabalho teremos que planejar e executar a proposta de divulgação e sensibilização do DUDH, usando para isso materiais diversificados.
E na parte da revista falamos um pouco sobre a biografia de Oswald De Andrade e sobre a poesia moderna que nasceu no Brasil no século XX, que defende os resgate dos valores éticos nacionais.E continuamos com a leitura do conto de Drummond "Nossa amiga".
E por fim marcamos a prova que será dia 30 de abril de 2010.
Nathália M. 3°EMB-Amizade.

Johnathan disse...

Nessa semana iniciamos a discussão de alguns artigos da DUDH (Declaração Universal dos Direitos Humanos), houve a apresentação de alguns painéis produzidos pelos alunos.Foram feitas discussões acerca dos artigos escolhidos e vimos que apesar dos direitos existirem, na prática a realidade é bem diferente, observamos que os artigos da DUDH são desrespeitados.
Fizemos novamente a leitura do texto “Sem Botafogo, mas com etc.-Homenagem a Oswald de Andrade”, do Caderno do Aluno, onde foi criada toda uma imagem do ritmo da capital paulista, utilizando de artifícios como neologismo e a falta de pontuação para demontrar essa imagem, para respondermos as questões da revista.Em seguida demos continuidade ao Caderno do Aluno, com o conto “Nossa amiga”, levantando algumas possíveis hipóteses sobre o que seria abordado no conto.
Finalizamos relembrando o gênero conto, que é uma narrativa curta de ficção, e foram citados exemplos de grandes contistas brasileiros como Machado de Assis, Lima Barreto, Monteiro Lobato, Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, Rachel de Queiroz, Guimarães Rosa, Clarice Lispector dentre outros, e além dos contistas também foram citados alguns de seus contos que valem a pena ler.

Johnathan T 3°EMB

luiza disse...

(29/03-01/04) Bom, nesta semana concluímos os trabalhos das apresentações dos artigos da DUDH, e discutimos a importancia deste para nosso cotidiano.
O DUDH surgiu após a 2ª Guerra Mundial.
Também estudamos mais um capitulo da arma didática, abordando o tema: A defesa da liberdade de expressão, discutindo as didaturas que ocorreram no Brasil (ditadura militar, ditadura de Getúlio Vargas e a ditadura de Floriano Peixoto.)
Foi-nos proposto um trabalho para apresentar os direitos humanos para a escola JC, pois muitos ainda não os conhecem.
Estudamos também no livro didatico a fabula "Salomão julga a causa de duas mulheres", onde foi possivel perceber que a fabula foi criada para ensina.
"Entre o mito e a arte nasce a religião". Esta foi uma frase dita pea professora durante a explicação desta fabúla que aborda a inteligencia humana.
Mas nenhum pensamento é certo. Existe vários "olhares", o da ciencia, da arte, da filosofia, do mito, da religiao, do senso comum.
E como nem tudo é só mar de rosas, voltamos nossos pensamentos para o Caderno do Aluno, onde refletimos sobre o texto em que José Luis Landeira faz uma homenagem a Oswado de Andrade atraves do texto "Sem Botafogo, mas com etc.", de forma que , atraves da falta proposital de acentuação, o texto demonstrasse a correria da grande São Paulo, cidade natal do homenageado.
E claro, que depois de alguns minutos reflexivos, foi-nos proposto mais um trabalho, mas esse abordando a biografia de Oswaldo de Andrade e a ligação com seu poema Memorias sentimentais de João Miramar, e obter também os poemas: brasil, erro de portugues e Pronominais.

junior disse...

Olá professora nessa semana trabalhamos com o "DUDH" (DECLARAÇÃO UNIVERSAL dos DIREITOS HUMANOS) com a apresentação de alguns artigos.
Tambem estudamos o caderno do aluno,dando continuidade da história da literatura brasileira.

d-jose luis n17 3emc

junior disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ruan disse...

Nas aulas da semana passada demos inicio a apresentação dos trabalhos com o seguinte tema:DUDH (Declaração Universal dos Direitos Humanos).Com esse trabalho, aprendi muitas leis que jamais havia visto e mal sabia que existia,a professora abordou também na apostila a biografia de Osvald de Andrade e,logo depois demos continuidade a leitura do conto de Drumond “Nossa Amiga”

Carolina Gisolfi disse...

Dias 29 e 01.
Nesses dias foram discutidos sobre os artigos da DUDH e é claro que surgiu a discussão do Brasil e ditadura militar. Foi discutido os artigos dezenove e vinte e oito.

Foi lido novamente o texto da revista do aluno, de José Luis Landeira que fez uma homenagem a Oswado de Andrade através do texto "Sem Botafogo, mas com etc.". Foi feita também a comparação desse texto com o texto de Drummond, "Nossa Amiga", que é logo esses neologismos usados na literatura dos textos de agora.

Two Worlds disse...

Nas aulas anteriores fizemos a leitura do conto “Sem Botafogo,mas com etc. – Homenagem a Oswald de Andrade” com base nas influências do escrito brasileiro Oswald de Andrade, ele usa neologismos como : “Correcorríamos” criando a imagem do agito de São Paulo e “Bandeiranacionalizavam” criando a imagem das cores da bandeira nacional. Na leitura do conto,podemos afirma que,comparando-o com os textos do século XIX há defesa de um novo conceito de arte literária,ou seja, cria-se a imagem do ritmo da capital paulista. Outro aspecto de atenção é a repetição de vários verbos de ação ; “Correcorríamos,Bandeiranacionalizavam,banhavam-se, voltava,ia vinha derrapava ia escorregava,entrava” que contribui para a construção das imagens. O neologismo para que não sabe,são palavras não dicionarizadas e a falta de pontuação no texto sugere velocidade.
Raissa Gonçalves n°27 3°EMB

Verônica disse...

Oiiii professora Piedade!
Vou aproveitar q estou comentando pra dizer q adorei suas aulas mesmo tirandoo 2,0 na prova q vale 4,0. No segundo bimestre prometo q vou melhorar minhas notas!
bjoos

Verônica Júlia

Verônica disse...

Oiiii professora Piedade!
Vou aproveitar q estou comentando pra dizer q adorei suas aulas mesmo tirandoo 2,0 na prova q vale 4,0. No segundo bimestre prometo q vou melhorar minhas notas!
bjoos

Verônica Júlia

Verônica disse...

Oiiii professora Piedade!
Vou aproveitar q estou comentando pra dizer q adorei suas aulas mesmo tirandoo 2,0 na prova q vale 4,0. No segundo bimestre prometo q vou melhorar minhas notas!
bjoos

Verônica Júlia

Verônica disse...

Oiiii professora Piedade!
Vou aproveitar q estou comentando pra dizer q adorei suas aulas mesmo tirandoo 2,0 na prova q vale 4,0. No segundo bimestre prometo q vou melhorar minhas notas!
bjoos

Verônica Júlia